18 de outubro, 2019

|

por: Lucas Bassotto

|

Categorias: Intermediário, Investimentos

Introdução ao pensamento Nassim Taleb: Cisnes Negros e Antifragilidade

Nassim Taleb é um dos investidores mais controversos no mercado financeiro, sua forma de investir foge do comum. Não por acaso, Taleb enriqueceu batendo de frente com o senso comum: apostando em falhas de mercado e eventos improváveis.

De origem libanesa, Taleb é extremamente influente no mercado de capitais, onde suas ideias ecoam com maior frequência. Seu trabalho de aleatoriedade, probabilidade, incerteza e estatística é muito reconhecido ao redor do mundo.

Um pouco sobre sua vida e carreira

Taleb nasceu no Líbano em 1960. Ele pertencia à uma família influente na região. Boa parte dessa influência e prestígio foi perdida na guerra civil Libanesa de 1975. Contudo, tal infortúnio não o impediu de ter uma excelente educação. 

Estudou parte da infância em Beirut, mas obteve bacharelado, Mestrado e PhD na Universidade de Paris. Ele também possui um MBA pela Wharton School.

Sua carreira foi em maior parte atuando como chefe de trading de derivativos, seja através de uma empresa, ou por conta própria. Teve passagens por Credit Suisse, BNP Paribas e Bolsa Mercantil de Chicago.

Como Taleb enriqueceu?

O ponto alto de sua carreira de trader aconteceu na Crise de 1987, quando Taleb apostou contra o mercado financeiro. Há quem diga que ele tenha enriquecido comprando puts de moedas. As puts funcionam como um seguro, elas te dão direito a vender um ativo por um preço determinado.

Sua aposta foi tão certeira que o deixou milionário, certamente o suficiente para viver a vida sem preocupações. Ele chama esse dinheiro de “Fuck-You money”. Taleb disse que, assim que entrava em um novo emprego, já escrevia uma carta pedindo demissão e guardava na gaveta. Quando ficava sem paciência, ele simplesmente mandava a carta para seu chefe.

Taleb ganhou ainda mais dinheiro no estouro da Bolha pontocom e na crise mundial de 2008. Novamente, ele apostou contra o mercado financeiro. Sua filosofia de investir é completamente diferente do usual e vem ganhando cada vez mais adeptos.

Sua carreira de escritor

Depois de ganhar muito dinheiro no mercado financeiro, Taleb decidiu focar seu tempo na academia, especialmente na disciplinas de Matemática, Filosofia e Estatística. Foi professor em Oxford, Nova York e Massachusetts.

A fama chegou quando começou a escrever sua série de livros. Seus livros são fáceis de ler e a teoria abordada neles pode ser utilizada em muitos campos: desde estilo de vida até investimentos.

Os livros são (em ordem de lançamento):

  1. Iludidos pelo Acaso (2001)
  2. O Cisne Negro (2007)
  3. Antifrágil (2012)
  4. Pele em jogo (2018)

Seus livros não precisam ser lidos em ordem cronológica. Cada obra pode ser perfeitamente compreendida sem a leitura da outra. Ou seja, elas se complementam. Contudo, recomendo começar por “Antifrágil”, passar por “Cisne Negro” até chegar no “Pele em Jogo”. Você pode deixar “Iludidos pelo Acaso” por último.

Um resumo das ideias de Nassim Taleb

Taleb é um grande conhecedor de estatística, principalmente de probabilidades. Ele inaugura sua “escola de pensamento” em seu primeiro livro “Iludidos pelo Acaso”, onde trata sobre eventos aleatórios e como não estamos preparados para entender, prever ou mesmo explicar,

Tendemos a exagerar nas relações de causa e efeito. Isso acontece por questão biológica, o ser humano não lida bem com o caos, com o desconhecido. Nosso cérebro economiza energia para tentar encontrar alguma explicação para eventos que jamais poderemos entender. 

O mundo jamais poderá ser compreendido em sua totalidade, porque o conhecimento do ser humano é incompleto. 

Ainda assim, tentamos deixá-lo mais inteligível do que ele na verdade é. Na maioria das vezes, eventos são arbitrários, isto é, acontecem aleatoriamente, sem nenhuma explicação.

Quer um exemplo disso? Leia a seguinte manchete: “Bolsa cai 1% após Bolsonaro twittar sobre Trump ou parabenizando o Flamengo por um título”. 

Não temos como saber se a bolsa realmente caiu por conta disso, porque esses movimentos (quando estão dentro da oscilação média) são completamente normais e aleatórios no curto prazo.

Viés de sobrevivência

Taleb argumenta que carregamos um viés pessimista muito forte. Isso acontece porque o medo é um mecanismo de sobrevivência que nós, enquanto seres humanos, utilizamos como uma defesa.

Essa defesa acaba nos impedindo de se beneficiar de longo prazo. A bolsa americana se valoriza, em média, mais de 12% ao ano há mais de 40 anos. Vale lembrar que isso é uma média. Em alguns anos ela pode valorizar mais de 12%, em outros anos, menos.

Isso significa que, na maioria das vezes, você só verá notícias positivas sobre a bolsa de valores. 

O mundo está melhorando lentamente, a pobreza está diminuindo. Logo, se você olhar sua carteira de investimentos uma única vez por ano a cada 40 anos, você terá uma notícia boa em 93% das vezes.

A questão muda se você ficar olhando sua carteira a cada trimestre. 67% das vezes as notícias serão boas: a bolsa subiu, você está mais rico. 

Agora imagine se você ficar vendo isso todos os dias? Metade das notícias que você ler serão necessariamente ruins. Logo, quem acompanha sua carteira todos os dias, pode ser tomado pelo viés do medo com muito mais facilidade.

Quem só presta atenção no curto prazo, não consegue enxergar todo o retrato. A bolsa americana cresce em média 0,056% ao dia, o que é imperceptível. Colocando isso anual, chegamos à média de 12%.

Quem fica preso no curto prazo só presta atenção na volatilidade diária e não na tendência de longo prazo. Ou seja, você está sendo iludido pelo aleatório, ou iludido pelo acaso. Isto é, iludido pelas pequenas flutuações diárias, que são normais.

É por essa razão que o trader de longo prazo tende a ganhar mais dinheiro que o day trader. 

O problema de ler jornal

Manchete negativa dá clique, é por essa razão que as capas do jornal sempre trazem notícias ruins na frequência diária. Mas o curioso é que geralmente são menos pessimistas em edições mensais e extremamente otimistas em edições anuais.

Quem consome notícia freneticamente tende a ser “iludido pelo acaso”, ou adotar o medo como forma de se defender. É inevitável a natureza humana.

O jornalismo sério é aquele que sabe contextualizar, passar a tendência de longo prazo e se concentrar no horizonte à frente. Caso contrário, a notícia vira só ruído e o investidor vira um especulador.

Os cisnes negros

Já sabemos que os seres humanos tendem a: criar falsas relações causa e efeito, serem pessimistas como forma de defesa e que o curto prazo é aleatório. Taleb, em seu segundo livro, expõe a teoria do Cisne Negro.

Cisnes negros são eventos extremamente improváveis, mas que se ocorrem, são profundamente impactantes.

Ou seja, são eventos outliers, isto é, muito difíceis de ocorrer, mas que vão ocorrer algum dia. Exemplos de Cisne Negro: Bitcoin, Internet, Crise de 1929, Crise de 2008.

Esse nome veio de uma história curiosa. A humanidade acreditava, até o século XVII, que todos os cisnes existentes eram brancos. Essa crença caiu por terra quando, na Austrália, foi visto o primeiro cisne negro da história. 

Sabe o que isso significa? Por mais que a média fosse de 1 cisne branco para cada 1 cisne em 1 milhão de observações anteriores, bastou apenas um evento, um elemento, uma observação, para que a amostra anterior fosse invalidada.

Tendemos a subestimar a existência de Cisnes Negros. Por que não aceitamos aleatoriedades. Estamos sempre tentando encontrar explicações para os fatos que simplesmente acontece, sem necessariamente ter alguma causa.

Alguns Cisnes Negros são tão raros, que jamais ocorreram em toda história da humanidade. 

Além disso, quando ocorrem, rapidamente articulamos nosso conhecimento para tentar adaptar alguma explicação plausível e mostrar como aquele evento era previsível.

Somos comprados pela “falácia narrativa”, podemos ver isso quando um “especialista” tenta explicar um evento depois que ele ocorreu. O especialista tenta mostrar que aquele evento não era tão imprevisível assim, que na verdade já estava “na cara” que ia ocorrer. 

Nosso mundo não é linear, esqueça as médias

Quando estudamos história, pensamos que o mundo acontece aos poucos, de acordo com as médias. Existe um problema grave nisso: nosso mundo não é linear. Ele não segue uma curva gaussiana (curva de distribuição normal). No mundo Gaussiano, as curvas normais podem nos dar uma explicação satisfatória.

curva de gauss nassim taleb

O mundo é regido pela lei das potências, ou seja, saltos. Os historiadores explicam os acontecimentos a posteriori, depois do que foi ocorrido. Oferecem apenas uma interpretação subjetiva de causa e efeito de um acontecimento da história, embora jamais saibamos as reais causas daquele evento.

Olhe para os últimos 20 anos e veja como o nosso mundo segue uma evolução exponencial: surgimento da internet, o 11 de setembro, surgimento do Google, a crise financeira de 2008 e o surgimento do Bitcoin. Nossa história não seguiu um leve passeio no Parque do Povo, ela teve um passeio na selva do Camboja com o Rambo.

nassim taleb e o mundo exponencial

A linha vermelha é o mundo linear. As linhas azul e verde retratam o mundo das potências.

Os avanços tecnológicos vão tornar ainda mais evidentes os acontecimentos exponenciais. E, como sempre, tentaremos explicar esses eventos importantes, como se fosse possível alterar ou mudar o curso da história. 

O terreno fértil para cisnes negros

cisne negro nassim taleb

Por: Harjes Hiamcha

Achamos que vivemos em um mundo de médias, linear, onde os acontecimentos importantes estão ocorrendo lentamente e diante dos nossos olhos. O mundo “normal” não gosta de grandes variações, ele ameniza tudo isso e coloca em uma média, ou seja, ele rejeita o desconhecido. Esse mundo é conhecido como “Mediocristão”.

Nesse mundo os eventos podem ser distribuídos em uma curva normal. Esse é o mundo em que vive grande parte dos cientistas, acadêmicos, MBAs. Há fatos que são conhecidos e fatos onde se sabe que são desconhecidos. O ser humano tende a ignorar que há fatos desconhecidos que são desconhecidos

Essas pessoas tendem a focar apenas nos fatos que são conhecidos, porque desconhecer o desconhecido é mal visto pela sociedade. Exatamente como uma pessoa que perdeu a chave de casa na rua mas só procura onde está iluminado. 

Contudo, vivemos no “Extremistão”. O mundo é governado pelas funções exponenciais. Os eventos são de magnitude maior do que os que já ocorreram, alguns poucos ganham tudo e o que desconhecemos é muito maior que o que conhecemos. 

No Extremistão, um jovem pode fundar uma empresa na Internet e ficar bilionário em apenas 6 meses, assim como ir à falência em 2 meses. Nassim Taleb deixa claro: vivemos em um mundo desconhecido.

O problema dos modelos de forecast

Utilizamos dados do passado para tentar prever algum acontecimento futuro. Tentamos entender o comportamento de 3 ou 4 variáveis e elaboramos um modelo estatístico. 

O problema desses modelos é que eles possuem fatores que ainda não foram capturados pelos dados históricos. Ou seja, sempre estamos expostos a variáveis desconhecidas.

O exemplo que Nassim Taleb, de forma brilhante, utiliza para demonstrar isso, é o do peru de Natal. 

Um Peru de Natal é alimentado pelo seu dono por 1000 dias seguidos. Ou seja, todos os dias nesse espaço de 1000 dias o Peru estará feliz. Com base nos dados históricos, podemos concluir que o dia 1001 também será um ótimo dia para ele, já que será alimentado mais uma vez.

peru de natal nassim talebContudo, ele é surpreendido com um machado e é degolado. Isso aconteceu porque o dia 1001 era Natal. Ele não sabia que que seria morto, mas seu dono sabia muito bem. Esse é um caso clássico de “Desconhecido Desconhecido”.

Por favor, corte minha cabeça: a Antifragilidade

antifragil nassim taleb

Por: Manliness

O Antifrágil se beneficia de cisnes negros, da aleatoriedade e da volatilidade. Isso pode ser aplicado para qualquer coisa: pessoas e até carteiras de investimentos. Uma carteira antifrágil se beneficia de situações de estresse. 

Taleb explica que coisas frágeis se quebram em eventos estressantes. Ser robusto também não é bom, porque o que é robusto também se quebra, a diferença é que demora mais tempo para acontecer. O antifrágil se adapta e até se beneficia do “caos”.

Um dos exemplos que ele dá é a natureza. Nassim Taleb considera a natureza como Antifrágil. As florestas se beneficiam das pequenas queimadas, e é com elas que evitam que materiais inflamáveis se acumulem a ponto de causarem um grande incêndio que ficará fora de controle. Em outras palavras, deixar que esses pequenos incêndios ocorram limpa a floresta dos materiais que evitariam um grande incêndio.

Ou seja, o Antifrágil comete muitos pequenos erros que podem ser facilmente reversíveis, mas de forma alguma comete um erro que pode fugir de controle. O frágil comete poucos erros, mas quando acontece, geralmente são grandes erros que causam consequências devastadoras.

Um exemplo de frágil é o governo brasileiro tentando adiar a recessão de 2016. O governo tomou muitas medidas para estimular a economia, maquiar contas públicas e controlar a inflação (ainda em 2014). Contudo, a situação foi piorando ao ponto em que o erro foi evidenciado, só que com consequências graves.

Nadando no lago dos cisnes

Taleb diz que devemos estar preparados para sermos surpreendidos por cisnes negros positivos e protegidos de cisnes negros negativos. Ou seja, devemos preparar nossa carteira para aproveitar esses eventos de baixa probabilidade. 

Uma das estratégias mais utilizadas é a Estratégia de Barbell. Nassim Taleb diz que devemos manter 90% dos nossos investimentos em aplicações extremamente seguras e outros 10% em aplicações extremamente arriscadas.

estratégia de barbell

A Estratégia de Barbell

Ou seja, nossa carteira deve estar exposta a ativos com perdas ilimitadas e potencial de ganho ilimitado. Como no gráfico abaixo:

payoff exponencial

Ativo Antifrágil

Taleb comprava seguros de ações para se proteger em cenários frágeis. Isso é feito através do mercado de opções: você paga uma “apólice” para poder vender uma determinada ação em um determinado preço na data futura.

Ou seja, você pode comprar uma “apólice de seguro” por R$ 0,30. Essas apólices te dão direito de vender suas ações da Petrobrás por R$ 18,00 em março de 2020. Suponha que você comprou 2000 “apólices” e hoje, outubro de 2020, as ações da Petrobrás custam R$ 25,00.

Imagine que foi descoberta uma nova fonte de energia que tornará o petróleo obsoleto em 6 meses. Isso faz o preço do petróleo despencar, assim como causa um colapso de toda a indústria petroleira.

Se em fevereiro as ações da Petrobrás estiverem a R$ 2,00, cada “apólice” comprada por você irá disparar de preço. Em muitos casos, a variação das “apólices” tende a ser maior do que a própria ação.

Se nada acontecer e a ação da Petrobrás estiver R$ 27,00 em março, suas apólices vão virar pó e você perderá uma quantia limitada de dinheiro (R$ 0,30 x 2000 apólices).

Foi assim que Nassim Taleb enriqueceu. Ele comprava “seguros” na bolsa contando com o pior. Na maioria das vezes nada acontecia e ele perdia pouco dinheiro, uma quantidade limitada. 

Taleb ganhava muito dinheiro com a valorização das “apólices” quando algum Cisne Negro aparecia, . Ou seja, ele tinha perdas controladas, perdia quase sempre, mas seus ganhos eram exponenciais quando ele ganhava.

As opções são extremamente arriscadas, mas como só representavam 10% do dinheiro do Taleb, ele poderia ficar constantemente recomprando opções sem precisar se preocupar.

Bitcoin

Nassim Taleb tem muitos motivos para considerar o Bitcoin como antifrágil, mesmo que nunca tenha afirmado isso publicamente. O Bitcoin tem todas as características de um ativo antifrágil: se beneficia da fragilidade dos nossos mercados e da economia, é extremamente escasso, limitado a 21 milhões de unidades, não tem relação com o mercado financeiro e é seguro.

Se você considera montar uma carteira antifrágil, deveria considerar comprar pelo menos 1% do portfólio em Bitcoin e calls de Bitcoin. É um investimento de alto risco, mas de perdas controladas. O Bitcoin já subiu mais de 10000% ao longo de sua história, e nada o impede de continuar se valorizando.

Não dê ouvidos a quem não tem a pele em jogo

“Skin in the game” foi um conceito também popularizado por Nassim Taleb. Ele acredita que nós sentimos cada vez menos o efeito das nossas decisões. 

Isso acontece porque o mundo virou um sistema mais complexo. Logo, cada decisão individual é suavizada pela média, o que faz com que as pessoas tenham cada vez menos a pele em jogo. A consequência disso é a piora nas decisões.

Um exemplo disso é a classe política. Eles podem gastar mal ou roubar todo dinheiro arrecadado através de impostos.

Como o dinheiro não é deles, não há “skin in the game”, a pele deles não está em jogo. Então eles fazem questão de gastar todo o dinheiro o mais rápido possível enquanto ainda estão ali.

Provavelmente eles teriam tomado uma decisão melhor e cuidariam melhor do dinheiro, caso aquele dinheiro fosse literalmente deles.

Obrigado pelas lições, Nassim Taleb

O pensamento de Nassim Taleb é instigante e foge do senso comum. Ele realmente nos dá vários tapas na cara e nos mostra que o mundo real é imprevisível. Diante disso, precisamos parar de nos preocupar em explicar o aleatório, nos expor a riscos controlados em ambientes propícios para cisnes negros.

Seus ensinamentos se aplicam em vários campos da vida, principalmente quando falamos de finanças. No fim das contas sua mensagem é: não seja o peru de Natal, se prepare para o acaso, porque vivemos em um mundo difícil de entender.

Leituras sugeridas:

Nassim Taleb: Bitcoin é a primeira moeda orgânica

O que é Bitcoin e como funciona?

Como fazer diversificação de investimentos

Os melhores investimentos para 2020

Como usar a Escola Austríaca para investir

Você pode comprar Bitcoin com taxa zero na Nox Bitcoin. Conheça a plataforma e comece a negociar agora mesmo.