Seis regras de investimento com Bob Farrell

Seis regras de investimento com Bob Farrell

Bob Farrell é um veterano de Wall Street que conta com cerca de 50 anos de experiência na elaboração de suas regras de investimento. Após terminar um programa de mestrado na Columbia Business School, ele lançou sua carreira como analista técnico na Merrill Lynch em 1957.

Embora o Sr. Farrell estudasse análise fundamentalista com Gramm e Dodd, ele se voltou para a análise técnica após perceber haver mais nos preços das ações do que balanços e demonstrações de resultados.

As regras de Bob Farrell

Farrell se tornou um pioneiro em estudos de sentimento e psicologia de mercado. Suas dez regras sobre investimento derivam de décadas pessoais de experiência com mercados monótonos, mercados em alta, mercados em baixa, quedas e bolhas. Resumindo, Bob Farrell viu de tudo e viveu para contar.

Desse modo, Bob Farrell listou algumas premissas de investimento a partir de suas observações, no qual iremos elencar 6 deles aqui, com objetivo de agregar os seus conhecimentos  em relação à filosofia de  investimento em valor.

1. Os mercados tendem a retornar à média com o tempo

A primeira regra de Bob Farrell é um conceito amplamente conhecido pelo mercado, trata-se do que muitos chamam de “reversão à média”.

O investidor afirma que as tendências se estendem em uma direção ou outra, retornando à sua média de longo prazo. Desse modo, mesmo durante uma forte tendência de alta ou forte tendência de baixa, os preços costumam reverter para uma média móvel de longo prazo.

O gráfico abaixo mostra o S&P 500 ao longo de um período de 15 anos com uma média móvel exponencial de 52 semanas. As setas azuis mostram várias reversões de volta a essa média móvel nas tendências de alta e de baixa.

Seis regras de investimento com Bob Farrell
Fonte: Tradingview

Essa regra está diretamente relacionada ao conceito dos ciclos do mercado. Demonstrando que as fortes emoções, tanto para o lado positivo como para o lado negativo e que geralmente podem atrapalham a clareza nas análises dos investidores.

2. Excessos em uma direção levarão a excessos na direção oposta

Os mercados que ultrapassam as alturas também passam por desvantagens, como um pêndulo. Quanto mais ele balança para um lado, mais se recupera do outro lado. A ideia de Bob Farrell é que, booms podem existir, todavia existirá uma queda posterior significativa, ultrapassando o ponto inicial.

O gráfico abaixo mostra a bolha Nasdaq em 1999:

Seis regras de investimento com Bob Farrell
Fonte: Tradingview

Isso significa que o Nasdaq estava mais de 40% acima de sua média móvel de 52 semanas e muito estendido. Esse excesso deu lugar a um excesso semelhante quando o Nasdaq despencou em 2000-2001.

Isso ocorre porque, em algum momento, as irracionalidades causadas pelo pânico ou o otimismo, são percebidas pelos participantes do mercado.

Veja também: Bolsonaro nomeia presidente e sete diretores do Banco Central

3. Ganância e medo são mais fortes do que resoluções de longo prazo

Para Bob Farrell os investidores podem ser seus piores inimigos, principalmente quando as emoções tomam conta.

De tempos em tempo surge uma nova queridinha do mercado e com ela aquela “oportunidade de ouro”, com otimismo de ganhos. Todavia, essa especulação não dura para sempre e o medo volta a aumentar o senso de risco, onde muitos investidores reagem vendendo suas ações.

É preciso entender que não há nada de novo em Wall Street, o que quer que aconteça no mercado de ações hoje, aconteceu antes e acontecerá novamente.

Desse modo, é importante que o investidor não se baseie em impulsos, muitas das vezes a melhor decisão é não fazer nada e deixar as emoções se esvair, para que essas não se apossem de você.

Bob Farrell, cita o exemplo das pontocom no final dos anos 90, vem provar esse argumento, no qual as empresas do índice Nasdaq perderam 75% do valor até o final do mesmo ano, gerando prejuízos enormes para os investidores.

Acreditar que dessa vez será diferente, é o pior erro que um investidor pode cometer.

4. Mercados exponenciais em alta ou queda rápida geralmente vão mais longe do que você pensa, mas não corrigem indo para os lados

Para Bob Farrell , independentemente do nível de subida de um  ativo, não se pode estimar o quão longe ele poderá ir. É claro que eventualmente ele irá retornar as suas médias e será corrigido, no entanto, como já dito anteriormente, esses excessos, nunca são resolvidos simplesmente negociando de lado, as correções tendem a ser brutais.

Observamos como exemplo o gráfico do Shanghai Composite, um índice do mercado de ações de todas as ações negociadas na Bolsa de Valores de Xangai, avançando de julho de 2005 até outubro de 2007.

Este índice foi sobrecomprado em julho de 2006, início de 2007 e meados de 2007, mas esses níveis não marcaram um topo, pois a tendência se estendeu com um movimento parabólico.

Seis regras de investimento com Bob Farrell
Fonte: Tradingview

5. O público compra mais na parte superior e menos na parte inferior

Segundo Bob Farrell, o investidor pessoa física é mais otimista no bull market e mais temeroso no bear market. Desse modo, o mercado tem as suas histórias e é claro que o discurso se torna mais atrativo quando se tem um gráfico bonito de resultados para mostrar.

Do contrário, todos sabem que vender no pânico é uma péssima ideia, mas basta um rumor para que a ação de uma empresa perca bilhões em valor de mercado num piscar de olhos.

Isso é explicado por preceitos emocionais do investidor onde o cérebro, neste quesito, é muito menos consistente, eficiente e lógico do que gostaríamos que ele fosse.

Vejamos o gráfico de CVC (CVCB3), que no pior momento da pandemia, as ações da companhia chegaram a cair mais de 80%.

Seis regras de investimento com Bob Farrell
Fonte: Tradingview

Veja também: Asset Light: É possível criar empresas sem capital?

6. O medo e a ganância são mais fortes do que a resolução de longo prazo

Os ganhos deixam os investidores exuberantes, aumentando o bem-estar, a segurança, e promovendo o otimismo. Enquanto as perdas trazem tristeza, repulsa, medo, arrependimento.

Para Bob Farrell, tais emoções atrapalham as decisões e afetam o planejamento dos investimentos no longo prazo. Como resultado, os investidores de fato podem ser seus próprios piores inimigos, especialmente quando as emoções tomam conta.

O mercado cria belas histórias de crescimento, que podem mudar a vida de seus investidores.  Lembre-se de que nem toda aposta merece sua atenção, os investidores que seguiram comprando na OGX, famosa companhia de petróleo do Eike Batista, foram com as próprias pernas até o caixão.

Em alguns casos, o sucesso até veio, mas estes casos estão longe de ser a regra.

Veja também: Eike Batista e China anunciam grande parceria

Conclusão 

Investir na bolsa de valores é um aprendizado diário, que não tem prazo para expirar. Trata-se de uma construção de longo prazo, não uma questão de semanas ou meses.

Lembre-se que em diversos momentos o mercado pode bambear, mas sem sair do lugar, em outros cenários, podem cair fortemente e em outros pode ter momentos repentinos de alta. O mais importante é se manter firme em suas posições, excesso de confiança ou deixar que o medo seja dominante pode custar caro,  assim como acelerar o carro onde as curvas ficam mais sinuosas e estreitas.

Em suma, para que você investidor, possa compreender todas as regras de Bob Farrell, é de extrema importância que saiba o que está comprando,  lhe permitindo driblar cada um desses períodos, tolerando momentos de realização, bem como de alta dos papéis investidos.

Veja também: Quando os gênios falham – Conheça o caso LTCM

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts