As principais criptomoedas para staking

As principais criptomoedas para staking

A geração de renda passiva vem se tornando uma febre na indústria criptográfica, isso se deve bastante ao surgimento de inúmeras blockchains que utilizam o mecanismo de consenso Proof-of-stake, responsável pela maioria das possibilidades de geração de renda passiva com criptomoedas.

Nesse sentido, um destes processos de geração de renda passiva é o staking. Com isso, no artigo de hoje, iremos listar algumas das melhores criptomoedas para realizar staking na indústria criptográfica, principalmente para este ano, onde as blockchains que utilizam este mecanismo de consenso estarão em alta.

Veja também: As cinco melhores criptomoedas de 2021

Cosmos (ATOM)

A Cosmos é uma plataforma interoperável, customizável e descentralizada, onde novas startups podem criar uma blockchain sem maiores esforços. Ela vem preenchendo a lacuna entre diferentes provedores de serviços em blockchain, facilitando o processo de comunicação entre eles.

Dessa forma, isso simplificou o processo para que toda a comunidade colaborasse com diferentes provedores de serviços blockchain. A Cosmos é uma das melhores criptomoedas para se realizar staking e utiliza a variante Delegated Proof-of-Stake (DPoS), onde delegantes e validadores autorizam quais validadores devem verificar as transações e adicionar novas cadeias.

Atualmente, a ATOM está na 25ª posição em termos de capitalização de mercado quando o assunto é criptomoedas. Além disso, é  esperado que a blockchain forneça recompensas de cerca de 8,32% na Binance, Coinbase e outras exchanges.

Tezos (XTZ)

Desenvolvida por Arthur Breitman, a moeda utiliza um modelo de governança on-chain para gerenciar mudanças na rede. A moeda implementa uma variante do proof-of-stake, chamada de liquid Proof-of-stake.

Além disso, ela penaliza os “bakers” maliciosos que estejam envolvidos em atividades que vão contra as regras da plataforma. A Tezos é alimentada pela criptomoeda XTZ, criada através de um processo chamado de “baking”. Aqui, o processo de staking é chamado de baking, onde os bakers são os validadores da plataforma, sendo recompensados com tokens XTZ.

Ethereum 2.0 (ETH)

A Ethereum é uma plataforma blockchain renomada, que possui opções de staking espetaculares. É considerada a segunda blockchain em termos de popularidade, estando atrás apenas do Bitcoin.

Se tornar um dos seus primeiros validadores pode ajudar a ganhar muito dinheiro. Contudo, para isso, é necessário que o usuário possua pelo menos 32 ETH para realizar o staking da criptomoeda.

Nesse sentido, a Ethereum passou, recentemente, pela troca do mecanismo de consenso Proof-of-work (PoW) para o Proof-of-stake. O staking nessa plataforma começou em dezembro de 2020 e, durante este período, mais de 200 mil validadores realizaram o stake de mais e US$12 bilhões em ETH.

Por fim, a Ethereum fornece uma taxa de recompensas de staking impressionante, variando de 5% a 21%. Em média, pode render um bom retorno sobre o investimento (ROI), podendo chegar a algo em torno de 7,5% ao ano.

Algorand (ALGO)

A moeda Algorand foi lançada com o objetivo de permitir uma economia sem fronteiras e resolver o problema de escalabilidade das blockchains enquanto mantém a segurança e descentralização. Ao mesmo tempo, a plataforma foi capaz de manter taxas mínimas de transação.

Ela utiliza uma outra variação do mecanismo de consenso PoS, chamado de Pure Proof of Stake. Ela previne as atividades de atores maliciosos no sistema, permitindo que o sistema chegue a um consenso sem uma autoridade central.

Com isso, as recompensas de staking dessa plataforma variam entre 5% a 10%, dependendo da exchange o processo está sendo realizado. Por exemplo, se você escolher a Binance para o staking, ela pode gerar até 8% de recompensas anuais.

Veja também: Principais protocolos DeFi para ficar atento em 2022

Polkadot (DOT)

A DOT é também considerada uma das melhores criptomoedas para staking no mercado, permitindo diversas blockchains transferirem mensagens, como compartilhar seus recursos enquanto garantem são capazes de manter a segurança e seu valor.

Sendo assim, a Polkadot é uma tecnologia escalável, heterogênea e multi-chain fundada pelo Dr. Gavin Wood, que foi cofundador da Ethereum e desempenhou um papel crucial no desenvolvimento da mesma. Hoje, a Polkadot é uma das principais concorrentes da Ethereum.

Para isso, a Polkadot utiliza o mecanismo de consenso, o Proof-of-stake, promovendo um retorno anual e 14% ao ano em seu processo de staking. Isso a coloca como uma das principais criptomoedas para staking do mercado.

Terra (LUNA)

A Terra permite criar stablecoins apoiadas por criptomoedas. Cada stablecoins está atrelado a diferentes moedas fiduciárias. No entanto, stablecoins podem ser trocadas por tokens Terra a preço de mercado.

Nesse sentido, a Terra é uma blockchain habilitada para contratos inteligentes, utilizando o token TerraUSD (stablecoin) e LUNA. Além disso, a plataforma construiu um terreno sólido para aplicativos baseados em blockchain (dApps).

Synthetix (SNX)

A Synthetix é uma criptomoeda utilizada na emissão de ativos sintéticos. Esses ativos também são chamados de “sintetizadores”, que representam ativos físicos, incluindo moedas fiduciárias, criptomoedas e ações.

Dessa forma, cada ativo sintético utiliza o padrão ERC-20, apoiado pelo SNX (Synthetix Network Token). Os usuários podem também negociar os ativos sintéticos com liquidez infinita na exchange descentralizada (DEX) da Synthetix. Isso significa que os investidores não precisam se preocupar com slippage (derrapagem).

Com isso, os ativos sintéticos têm proporcionado uma boa exposição aos mercados tradicionais, visto que o retorno anual de staking da Synthetix foi calculado em até 55%, o que a coloca como uma das principais criptomoedas para staking.

Conclusão 

O staking de criptomoedas pode ser uma boa fonte de receita se realiza corretamente. Como o staking de criptomoedas tem tudo a ver com o número de moedas que você possui, visto que ela determina o valor da recompensa a ser recebido pelo processo de staking.

Além disso, ao que tudo indica, o número de criptomoedas que utilizam o mecanismo de consenso Proof-of-stake deverá aumentar nos próximos anos. Além de ser mais eficiente, o mecanismo é mais favorável ao meio ambiente, o que deverá aumentar as possibilidades de staking com criptomoedas.

Contudo, é importante lembrar que mesmo as principais criptomoedas para staking envolvem grandes riscos. Com isso, é necessário estudar sobre o processo de staking, entendendo quais são os fatores de risco a serem considerados.

Por fim, é importante ficar atento as gerações de renda passiva relacionadas a criptomoedas. Cada vez mais esse modelo tem se tornado realidade na indústria criptográfica.

Veja também: Como obter renda passiva com criptomoedas

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts