11 de novembro, 2019

|

por: Lucas Bassotto

|

Categorias: Economia, Iniciante

As lagostas te contam a diferença entre valor e preço

Ao contrário do que a maior parte da população pensa, valor e preço não são a mesma coisa. Aliás, entender a diferença entre ambos é essencial para tomar as melhores decisões com o seu dinheiro, que podem abranger desde o consumo até o investimento.

Esse texto vai abordar como a percepção de valor que temos das coisas são essenciais para entender a dinâmica dos preços com o passar do tempo.

O valor é uma convenção social

Nós tentávamos medir o valor das coisas de forma objetiva até o século XIX. Os maiores pensadores de economia acreditavam que o valor era derivado da quantidade de trabalho agregada e da usabilidade do bem em questão (coisas).

No entanto, esse pensamento não respondia como alguns bens poderiam valer mais que outros em algumas ocasiões. Por exemplo, um diamante bruto, recém extraído da terra, poderia ter um valor maior do que um sapato que levou horas para ser fabricado. Como isso era possível?

diamante bruto

Esse diamante bruto vale mais do que um sapato que levou horas para ser manufaturado.

A resposta veio de três economistas que viviam na mesma época, que não se conheciam e moravam em países distintos: Jevons, Walras e Menger. Os três, cada um ao seu modo, conseguiram encontrar uma teoria que explicava satisfatoriamente o impasse.

Eles chegaram à conclusão de que o valor de um bem é determinado pela sua escassez, usabilidade e utilidade para ajudar as pessoas na satisfação de suas necessidades. Ou seja, os bens só têm valor porque as pessoas desejam os adquirir.

Através da teoria do Valor Subjetivo, conseguiram responder o motivo de um diamante bruto ter mais valor do que um sapato que levou horas para ser criado. Diamantes são extremamente escassos.

De tal forma, o valor que um bem assume é uma convenção social. Ele não pode ser medido objetivamente.

As lagostas te contam a diferença entre valor e preço

Resumidamente, o preço é uma manifestação de pessoas comprando e vendendo um bem específico. Elas compram, ou vendem, com base em sua compreensão individual de valor do que está sendo negociado.

A percepção de valor consegue mudar completamente os preços. Um exemplo disso é a história da Lagosta. O crustáceo do mar era visto como comida de pobre e presidiário nos Estados Unidos no século XVII. 

Ele era abundante na costa, ou seja, tinha baixa escassez. A história começou a mudar quando passou a ser servida em enlatados nas linhas férreas da costa oeste dos Estados Unidos. 

lagosta e a diferença entre valor e preço

Não demorou muito até a lagosta começar a figurar nos principais restaurantes e chegar até a alta classe. Tudo isso resultou em sobrepesca, o que tornou o crustáceo mais escasso e caro.

O preço da Lagosta disparou de US$ 0,24 para US$ 17,49 com o passar dos anos. Nesse caso, podemos ver que dois fatores atuaram para fazer o preço assumir esse comportamento: escassez e preferências subjetivas. 

bitcoin com taxa zero

A importância de saber essa diferença

A percepção de valor da Lagosta subiu e fez o preço tomar o mesmo caminho. Ou seja, o preço é determinado pelo valor. O preço é só o que está na tela do seu computador, ou no cardápio de algum restaurante.

Entender sobre valor é essencial para você saber se está pagando o preço justo por alguma mercadoria, ou ação de empresa. 

Nem sempre o preço representa o valor de um bem. Isso quer dizer que assimetrias acontecem. As pessoas podem ficar completamente enviesadas em seu olhar e agir irracionalmente. 

Por exemplo, o preço do Bitcoin estava em US$ 3,200 em dezembro de 2018. No entanto, mudanças estruturais muito importantes estavam em curso no mercado. O seu real valor ainda continuava o mesmo. Quem percebeu isso, conseguiu ver que o preço estava abaixo do valor e lucrar um bom dinheiro.

valor do bitcoin

Indicador de valor do Bitcoin. Se a linha vermelha estiver abaixo da linha pontilhada preta, o bitcoin estará subvalorizado.

O valor no mercado de ações

Isso também acontece com frequência no mercado de ações. Uma empresa pode estar subvalorizada ou sobrevalorizada em relação ao seu preço, que é determinado por pessoas comprando e vendendo as ações dessa empresa.

Se os negociantes olham para a empresa e vêem que ela não tem valor, começam a se desfazer de suas ações. Quando há mais vendas do que compras, o preço das ações cai. 

O valor de uma empresa é determinado no contexto empresarial: capacidade de crescimento, receita, atuação no mercado, perspectivas futuras e resultados financeiros. O preço é apenas uma manifestação desses fundamentos. Essa é a diferença entre valor e preço: um está “escondido” e outro está mais visível.

++Entenda mais sobre análise fundamentalista

Você compraria uma empresa em que o preço subiu 120%, embora o seu faturamento e crescimento pouco tivessem crescido? Eu não compraria, porque ela está sobrevalorizada. Esse aumento de preço não corresponde com a concepção de valor que tenho da empresa.

Conclusão

Quem entende a diferença entre valor e preço consegue tomar melhores decisões sobre consumo e investimentos. O valor das coisas nem sempre está diante de nossos olhos. Eventualmente vamos comprar bens que estão acima do seu real valor, assim como poderemos fazer o contrário.

O preço é uma manifestação do valor. Nem sempre ele corresponde à realidade, porque as pessoas podem, coletivamente, ter uma percepção errada do valor de qualquer bem. Esse erro ocorre principalmente por vieses comportamentais.