Lucas Bassotto

Escrito por

Author

Economista, trader e especialista em conteúdo sobre economia, finanças e criptomoedas.

Traduzido e adaptado da CNBC

O S&P 500, principal índice da bolsa de valores dos Estados Unidos, teve um ganho de 37,7% nos últimos 50 dias de negociação, tornando-se a maior alta da história quando consideramos os últimos 50 dias do índice de referência, de acordo com a LPL Financial. 

Olhando para outras ocasiões semelhantes, onde o mercado subiu em 50 dias, a empresa descobriu que as ações subiram mais em 100% depois de 6 meses. O retorno médio em 6 meses foi de 10,2%, enquanto o retorno médio em 1 ano foi de 17,3%.

A empresa analisou os dados desde 1957, quando o índice passou para um modelo de 500 ações. O S&P 500 subiu constantemente depois de cair para uma baixa intradia de 2.191,86 em 23 de março – pondo fim ao maior mercado em alta da história – enquanto o Covid-19 superava os mercados globais. 

O índice de referência está agora 41,7% acima do nível mais baixo e inferior a 9% em relação ao nível mais alto de todos os tempos de fevereiro. Vários fatores contribuíram para a rápida execução mais alta.

Por um lado, o governo e o Federal Reserve tiveram papel importante. Em março, o presidente Donald Trump assinou uma lei com um pacote de estímulos federais recorde de US$ 2 trilhões, conhecido como Lei CARES, enquanto o Federal Reserve afirmou que se envolverá em compras ilimitadas de ativos.

Índice S&P500 em 2020

ações eua
Fonte: Tradingview

Enquanto as economias fechadas causaram estragos em alguns setores, como varejo e companhias aéreas, outras áreas do mercado tiveram um impulso. As ações de algumas das maiores empresas de tecnologia, incluindo Netflix, Amazon e Facebook, atingiram novos patamares quando as pessoas presas em casa correram para suas plataformas.

Todos os 50 estados já iniciaram o processo de reabertura, e os estrategistas estão otimistas de que, com medidas de precaução adicionais, uma segunda onda de casos poderia ser evitada.

Dito isto, outros acreditam que os S&P estão mais altos, o que não ocorreu sem crises de volatilidade, ilustra ainda mais o quão desconectado o mercado se tornou da economia. Um recorde de 40 milhões de pessoas solicitou o seguro-desemprego desde que a pandemia ocorreu em março e, embora o número de novos registros tenha diminuído nas últimas semanas, os números ainda são surpreendentes para os padrões históricos.

As empresas também alertaram que os ganhos continuarão a ser afetados, já que o impacto total do coronavírus será sentido nos próximos meses. Muitos executivos se recusaram a oferecer orientação durante a última rodada de relatórios trimestrais, apontando para a incerteza contínua.

A fraqueza na China, a segunda maior economia do mundo, também pode impactar os mercados globais, principalmente com o aumento das tensões entre os Estados Unidos e a China.

A agitação civil generalizada nos EUA também pode atuar como um um fator de preocupação referente ao mercado de ações, embora a natureza prospectiva do mercado signifique que os investidores estão observando o barulho, pelo menos por enquanto.

Ibovespa em busca dos 100 mil pontos, novamente

No Brasil, o Ibovespa também seguiu o mesmo caminho do S&P500 e afundou para baixo da Média Móvel dos 200 dias. Essa é uma das Médias Móveis mais importantes do mercado, porque indica tendência de longo prazo. Todas as vezes que o índice ficou abaixo dessa média, logo tratou de retornar à ela, seguindo a teoria do “Retorno à Média”.

Índice Ibovespa (2015-2020)

O índice agora acumula uma alta de 45% desde o seu menor valor no ano. No entanto, ele ainda está 22,84% abaixo da máxima histórica que aconteceu próxima aos 120 mil pontos. Parece que a aposta do mercado é de que a maior parte dos dados econômicos que indica recessão já está incorporada no preço.

O mercado está sempre olhando para frente, tentando se antecipar aos eventos. No entanto, uma segunda onda da Covid-19 poderia minar a confiança dos investidores. Outro problema seria uma recuperação econômica mais lenta do que o esperado. Da mesma forma que uma vacina poderia provocar uma grande alta.

De qualquer forma, no Brasil o índice segue em recuperação mesmo que não estejamos com o número de casos e mortes seguindo em queda. A reabertura da economia nas principais capitais será um experimento. É preciso observar ainda como o número de casos irá evoluir.

Write A Comment