Dolar

Entenda como os fundos cambiais funcionam

Diversificar a carteira de investimentos é um objetivo de todo investidor. Qualquer especialista orienta a não colocar “todos os ovos em uma mesma cesta”. Com isso, você diminui o risco associado à sua carteira e pode até mesmo obter maior rentabilidade. Uma dessas possibilidades de diversificação é o investimento em fundos cambiais.

Nesse sentido, há algum tempo, realizar investimentos em fundos cambiais era uma opção apenas para um grupo de pessoas que possuíam bons recursos financeiros. Mas, com o tempo, essa visão foi mudando. Sendo assim, nesse artigo iremos falar sobre esta modalidade de fundo de investimento. Acompanhe conosco esse artigo e fique por dentro de fundos cambiais!

Veja também: Investimentos em fundos de criptomoedas no Brasil acumulam R$ 2,7 bilhões

O que são fundos cambiais?

Fundos

Em síntese, fundos de investimento são uma espécie de “condomínio” de investidores. Estes fundos são compostos por uma carteira de ativos. Neles, diversas pessoas, físicas ou jurídicas, adquirem uma cota de participação no fundo. Sendo assim, pagam uma taxa administrativa pelo fundo, seguindo algumas regras predefinidas. Em troca, os investidores esperam rentabilidade financeira.

Dessa forma, fundo cambial é uma categoria de fundo de investimento, onde a carteira de ativos são investimentos relacionados a moedas estrangeiras. Entre as principais moedas, podemos citar o dólar e o euro. Em geral, trata-se de um fundo aberto, onde permite a entrada de novos investidores e investimentos, bem como o resgate de cotistas do fundo.

Contudo, fundos cambiais não realizam a compra da moeda em si. Conforme mencionamos anteriormente, eles adquirem ativos que tem forte relação com, por exemplo, o dólar. Dessa forma, ao aplicar em investimentos desse tipo, o fundo espera que o desempenho da moeda garanta bons retornos para o fundo de investimento.

Sendo assim, estes fundos são bastante indicados para investidores que querem proteger seus recursos contra a flutuação de moedas mais fortes, como o caso do dólar e euro. Por outro lado, é possível utilizar fundos cambiais para realizar lucro através da variação positiva destas moedas.

Onde os fundos cambiais investem

Fundos cambiais realizam o investimento, em maior parte, em alternativas variadas de risco de crédito relacionados a moedas estrangeiras. Essa relação pode ser tanto direta quanto sintetizada, através de derivativos. Nesse sentido, derivativos são formas de se referenciar a outros ativos, como taxas de juros ou moedas.

Dessa forma, os derivativos são utilizados para obter lucratividade através da especulação, bem como para proteção da carteira contra oscilações do mercado. Com isso, estes fundos realizam investimento em títulos referenciados em moeda estrangeira, geralmente emitidos por bancos e empresas.

Nesse sentido, os fundos cambiais devem investir pelo menos 80% da carteira em ativos relacionados a moedas estrangeiras. Através dessa composição, o desempenho dos fundos cambiais costuma acompanhar o desempenho das moedas ao qual estão referenciados.

Com isso, os fundos cambiais podem ser de quatro tipos, renda fixa, ações, hedge funds e portfólios globais. Abaixo seguem algumas explicações sobre cada um deles:

  • Renda fixa — são atrelados a um ou mais setores/países, no geral, são sensíveis às taxas de juros, podendo estar atrelado às obrigações do governo ou de empresas;
  • Ações — o investimento é realizado em ações de empresa que possuem suas receitas atreladas ao câmbio daquele país;
  • Hedge Funds — equivale ao nosso fundo multimercado, mas de forma global. Sendo assim, o risco é relacionado aos diversos ativos investidos pelo portfólio. Estes ativos podem ser de renda fixa, câmbio e juros.
  • Portfólios globais — estes, realizam investimento em outros fundos que possuem diversos tipos de ativos, podendo ser renda variável, fixa, fundos imobiliários, commodities, etc.

Veja também: Chegou a hora de investir em fundos ESG?

Desempenho e rentabilidade de um fundo cambial

O desempenho de um fundo cambial irá acompanhar o desempenho da moeda de referência. Mas nem sempre essa correlação é perfeita, vai depender da estratégia de investimento e o quão atrelado as moedas de referência estão. Em 2020, mediante a crise econômica devido à pandemia da covid19, estes fundos apresentaram bons resultados.

Por exemplo, em 2020, diversos fundos apresentaram rentabilidade de 40%. A desvalorização do real foi uma das mais latentes nesse período pandêmico. Isso contribuiu para uma alta exacerbada na rentabilidade destes fundos, bem como a fuga do capital para economias mais estáveis.

Riscos associados ao investimento em fundo do tipo

Como todo investimento, fundos cambiais possuem riscos associados e devem ser levados em conta na hora de comprar uma cota. Primeiramente, é importante pontuar que esta modalidade de fundo de investimento costuma ser classificada como moderada ou arrojada.

O motivo é que, estes fundos estão sujeitos a flutuação de uma determinada moeda estrangeira em relação a nossa própria moeda, o real. Sendo assim, fundos cambiais são expostos à volatilidade das moedas estrangeiras, que podem sofrer variações por inúmeros motivos ao longo do tempo.

Nesse sentido, o câmbio é um dos indicadores econômicos mais complicados de realizar uma previsão. É por esse motivo que este tipo de fundo é mais indicado para investidores que não possuem muita aversão a riscos. No entanto, quando o objetivo de comprar uma cota em fundo cambial é a proteção contra a variação do câmbio, o risco é menor.

Tributação em fundo

Bem como fundos de renda fixa, a tributação de fundos cambiais é decrescente em relação ao prazo de aplicação. O Imposto de Renda é aplicado somente sobre o lucro da operação, e não sobre o total investido. Sendo assim, as tabelas abaixo mostram a tributação exercida de acordo com o prazo.

Fundos de Curto Prazo — Vencimento abaixo de 365 duas

Fundos de Longo prazo — Vencimento acima de 365 dias

Além disso, fundos cambiais estão sujeitos à cobrança de IOF. Contudo, a cobrança só é realizada caso o resgate do investimento seja em um período menor que 30 dias. O percentual de tributação varia conforme a quantidade dias corridos até o momento do resgate.

Conclusão

Investir em fundos cambiais possui suas vantagens e desvantagens, isso vai depender bastante do seu perfil de investidor e objetivos. Por exemplo, investir nesses fundos é uma boa opção para quem precisa realizar despesas no exterior, como viagens e intercâmbios. Neste caso, os fundos cambiais ajudam a proteger o dinheiro das flutuações cambiais.

Além disso, para aqueles que querem fugir do “risco Brasil”, investir em fundos cambiais é uma opção para investir em economias mais estáveis. Contudo, é importante lembrar sobre os riscos associados a este tipo de investimento. Fundos cambiais são investimentos de renda variável, voláteis. Prever a flutuação do câmbio é algo extremamente complicado.

Dessa forma, ao realizar investimento em fundos cambiais, é importante se atentar a todos os pontos informados nesse artigo. Embora haja simplicidade no ato de investir, é necessário algum estudo para entender seu funcionamento. Não basta entender somente o histórico dos fundos e das moedas, é necessário também entender o contexto econômico global.

Veja também: Reforma Tributária: Ainda vale a pena investir em fundos imobiliários?

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts