Camila Russar

Escrito por

Author

Designer, marketeira de produto e apaixonada por escrever textos sobre tecnologia e startups.

Este é o quinto texto da nossa série “Unicórnios”, coletânea que abordará a história das startups que alcançaram o valor de US$ 1 bilhão. Falaremos sobre seus fundadores, soluções, expansão e políticas internas. A Gympass é destaque nesta quinta edição.

Gympass

Com aporte de US$ 300 milhões do Softbank em junho de 2019, a Gympass passa a valer mais de US$ 1 bilhão. O aplicativo ataca a quarta maior causa de morte no mundo, o sedentarismo. 

Criada em 2012, a Gympass é um benefício corporativo que dá acesso à academias e outras atividades físicas com pouca burocracia. Ao pagar uma taxa única, as pessoas podem frequentar diversos estabelecimentos e praticar diferentes tipos de exercícios físicos durante a semana. 

Com um passe por dia, o usuário da Gympass pode visitar locais perto de sua casa, trabalho ou em outras cidades, quando estiver viajando. A solução é vendida para as empresas e promete uma relação de ganha-ganha-ganha. As academias ganham novos clientes, as empresas ganham na qualidade de vida dos seus funcionários e, consequentemente, em melhor desempenho e, os usuários, encontram uma atividade que gostam e melhoram sua saúde. 

Em 2017, a empresa abriu sua sede em NY com o objetivo de expandir o projeto internacionalmente. Dois anos depois, montou um hub de inteligência artifical, para desenvolver novas funcionalidades no aplicativo e analisar os dados da operação. Também em 2019, a Gympass comprou a Flaner, empresa especializada em machine learning, expandindo o projeto focado em IA. 

História e propósito da Gympass

Em 2011, César Carvalho trabalhava como consultor para a McKinsey & Company. Constantemente viajando entre cidades para atender seus clientes, tinha problemas em encontrar locais para fazer exercícios físicos que fossem baratos e que pudesse entrar sem muita burocracia. Foi este problema que o inspirou para que, em 2012, criasse a Gympass. 

César afirma, em seu LinkedIn, que o problema inicial que havia decidido atacar, alguns anos depois, foi pivotado. Ao fazer parceria com as empresas, oferecendo a possibilidade de se exercitar por um preço justo em qualquer lugar, como benefício para os funcionários, a Gympass cria um impacto enorme, proporcionando bem estar para um número maior de pessoas. 

“Eu acredito que as empresas estão em uma posição única para influenciar a mudança do comportamento. Elas têm alcance, credibilidade e podem criar um contexto social”. Afirma César, apontando as empresas como uma peça chave no combate ao sedentarismo no mundo.

No início de 2020, a empresa afirmou estar presente em mais de 14 países. Possuem mais de 2 mil clientes (empresas) e mais de 50 mil estabelecimentos parceiros. Mas, diante da pandemia do coronavírus e da impossibilidade de visitarmos academias e espaços dedicados à atividades físicas, a Gympass precisou se reinventar. 

Como a Gympass reagiu ao Coronavírus

No início do mês de março, os casos do Coronavírus começaram a aumentar no Brasil. O país entrou em quarentena. A partir daí, academias, estúdios de pilates, clubes, crossfit e ginásios foram todos fechados para conter a expansão da doença. Mas, como um aplicativo 100% focado nestas atividades sobrevive neste cenário? 

A startup teve uma relação inicial turbulenta com a quarentena. Em abril, segundo o Valor Investe, cerca de 20% do quadro de funcionários da empresa foram demitidos. “A Gympass, como muitas outras empresas do mercado fitness, foi profundamente afetada pelo Covid-19. Com a maioria das academias sendo obrigadas a fechar, precisamos de algumas mudanças para cortar custos, o que incluiu a decisão mais difícil de todas: reduzir a nossa equipe” – afirmou a empresa em um comunicado para a imprensa. 

Mas, dois meses depois, a empresa se reinventa. Lança novas soluções, que, auxiliam no crescimento da empresa em si e, principalmente, dá opções para que seus parceiros continuem tendo fontes de renda mesmo em um cenário de isolamento. 

Site Gympass

A nova solução

Como em outros cenários como o da educação, o fitness não ficou de fora. As aulas que antes eram presenciais, passaram a ser online no aplicativo da Gympass. Além de atividades físicas, foram adicionadas ao aplicativo meditação e terapia, visando pelo bem estar das pessoas neste momento. E também foram incorporados outros aplicativos à plataforma, ampliando o acesso a mais de 800 tipos de atividades na Gympass. 

A nova campanha da marca conta com grandes influenciadores como Bruno Gagliasso, Rafaella Kalimann e Camila Queiroz. Para o grande lançamento, neste mês, os clientes com plano básico poderão testar todas as novas funcionalidades do aplicativo. Aulas online das academias, terapia e aulas virtuais com um personal trainer. 

Reinventar-se sempre

Um cenário de crise como o que estamos vivendo afeta bruscamente todos os mercados. Conseguir superar a impacto inicial e desenvolver novas soluções para se manter de pé não é fácil. Mas pode criar inúmeras novas oportunidades tanto para as empresas quanto para as pessoas. 

Desenvolver novos produtos, pode auxiliar as pessoas que estão com novas necessidades. As empresas também podem se beneficiar, buscando novas formas de gerar fontes de renda. A Gympass é um grande exemplo de reinvenção para nos espelharmos.

Write A Comment