reserva

Reserva de Emergência em dólar, faz sentido?

Já falamos aqui sobre os primeiros passos para investir de forma adequada. Nesse sentido, um assunto bastante debatido quando se fala sobre os primeiros passos ao investir, é a reserva de emergência.

Esse montante que deve ser guardado para situações emergenciais caso ocorra algum imprevisto, constantemente é alvo de dúvidas sobre a forma adequada de se construir. Com isso, algumas das principais dúvidas que surgem quanto à construção dessa reserva, diz respeito à alocação.

Dessa forma, trataremos hoje especificamente sobre o tema de alocação em dólar. Começando o artigo pelo sentido do próprio conceito de reserva de emergência. Em seguida, falaremos sobre algumas possibilidades e por fim responderemos o questionamento inicial do artigo. Portanto, fique conosco até o final, ótima leitura.

O Que é reserva de emergência

Se existe uma coisa que aprendemos com os efeitos gerados pela pandemia que se iniciou em março do ano passado. É que imprevistos ocorrem e que tudo pode mudar de uma hora para outra. Assim, nesta pandemia que ainda não terminou, muitos perderam suas fontes de receita, e tiveram que lidar com situações de aperto.

Nesse sentido, segundo uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). 62% dos brasileiros simplesmente não economizaram nada em 2019 e acabaram sofrendo os efeitos da crise causada pela pandemia. Sem nenhum tipo de reserva guardada.

Assim, o brasileiro sofre essa dificuldade em guardar dinheiro. Outra pesquisa perguntou o seguinte aos entrevistados: “se você tivesse uma emergência e precisasse de R$ 200, você teria esse dinheiro disponível?” Somente 40% dos entrevistados disseram que teriam essa simples quantia.

A maior parte dos entrevistados, 55%, disse que não teria essa quantia disponível no momento. Enquanto os outros 5% simplesmente não souberam responder.

Daí surge a necessidade de falarmos sobre educação financeira. Nesse caso específico a solução passa pelo entendimento da necessidade de se criar uma reserva para situações emergenciais.

Assim, a reserva de emergência é uma quantia de dinheiro que guardamos para ser utilizado em uma situação emergencial. Esse dinheiro guardado deve suprir despesas de um período, mantendo sua qualidade de vida.

Veja também: Além do INSS: como funciona uma previdência privada?

Cálculo do valor ideal para a reserva de emergência

O consenso de especialistas diz que o ideal é manter algo entre 3 a 6 meses dos seus custos fixos mensais. Contudo, a realidade é que quanto maior esse valor mantido em segurança, mais tranquilidade você terá para manter o seu padrão de vida no lugar, em caso de algum imprevisto

Com isso, o cálculo ideal a ser descoberto é relativamente simples. No entanto, para se chegar a esse número, deve ser feito anteriormente um estudo sobre suas receitas e despesas. Assim, pode-se avaliar o gasto mensal e compreender o quanto seria necessário poupar o necessário para cobrir esse valor.

Exemplificando melhor: digamos que sua despesa mensal gire em torno de  R$ 2 mil. Com isso, você deseja forma uma reserva que o mantenha com o mesmo padrão de vida por 4 meses. Assim, teremos R$ 2 mil x 4 meses =  R$ 8 mil.

Em outras palavras, para se manter o padrão de vida por mais quatro meses, caso ocorra algum imprevisto, é necessário R$ 8 mil.

Onde devo aplicar para construção dessa reserva?

Essa sem dúvida é o questionamento mais importante quando estamos falando sobre reserva de emergência, deve-se entender primeiramente que a reserva tem por objetivo te dar disponibilidade imediata. Dado que você simplesmente não sabe quando irá precisar.

Ou seja, precisamos alocar os recursos em ativos que ofereçam se possível liquidez diária. Para você ter acesso imediato, caso necessário. E aqui o primeiro grande erro que o investidor iniciante comete é de cara pensar na poupança. Além disso, é importante lembrar que a poupança possui rendimento mensal.

E ainda que a rentabilidade não deva ser prioridade quando avaliamos produtos para formação de reserva, a poupança perde nesse quesito também, inclusive para outros produtos seguros com liquidez diária.

Alguns exemplos de produtos com liquidez diária e rentabilidade maior que a poupança que rende 70% da taxa Selic + TR, São: alguns certificados de depósito bancários (CDBs), letras de crédito imobiliário e outros produtos de renda fixa atrelados ao DI com liquidez diária.

Veja também: Pare de depender só do INSS. Faça uma reforma em sua previdência

Reserva financeira em dólar?

dólar

Isso não faz muito sentido caro leitor, logo a resposta é que não é o tipo de alocação adequada. Embora o dólar seja visto pelo mercado como um produto mais seguro, sendo refúgio em momentos de aversão a risco.

O que deve ser levado em conta em sua análise para formação de reserva, são dois fatores fundamentais: segurança e liquidez. Contudo, ao avaliarmos o primeiro quesito, já esbarramos em um grave problema. O dólar possui uma volatilidade em seu preço relativamente alto em relação a nossa moeda.

O que, na prática, implica em uma formação de reserva que pode perder valor ao longo do tempo, não suprindo as necessidades calculadas no plano de formação desta reserva.

Por exemplo, digamos que você começou a montar sua reserva. Em um momento que o dólar estava cotado a R$ 5,80, digamos que você passou por um imprevisto e teve de sacar agora por R$ 5,19.  Em outras palavras, no momento do saque você perdeu um pouco mais de 10% em relação ao capital inicial.

Conceito de segurança

No exemplo acima, vimos que o dólar como forma de alocação não é uma boa ideia. Devido à compreensão de segurança que se deve existir na construção dessa reserva financeira. Dado que ativos com alta volatilidade podem significar perdas importantes ao longo do tempo.

Em suma, a reserva de emergência precisa ser vista como uma fonte segura para manutenção de valor. A mentalidade por trás de sua formação, não deve ser de auferir lucros. É preciso que se entenda o objetivo de sua formação, que é o de “disponibilidade” e “segurança”. É ter um dinheiro que acumula e está lá sempre disponível a qualquer momento que você precise utiliza-lo.

Com isso, não se engane caro leitor, a melhor forma de construir sua reserva, é através dos produtos tradicionais de renda fixa apresentados ao longo do texto.

Veja também: Previdência infantil: o que é e como colocar em prática

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts