Lucas Bassotto

Escrito por

Author

Economista, trader e especialista em conteúdo sobre economia, finanças e criptomoedas.

O dólar tem sido um dos melhores investimentos de 2020. Quem começou a comprar dólar, viu seu patrimônio valorizar mais de 20% frente ao Real. No dia 12 de maio de 2020, a moeda norte-americana chegou nominalmente na sua cotação máxima em toda história, batendo os R$ 5,87. O principal desafio é entender: por que o dólar está subindo tanto em 2020?

Antes de responder a essa pergunta, é preciso entender primeiramente todo o contexto econômico global e doméstico no qual o Brasil está inserido. Afinal, a economia é globalizada, de forma que todos os ruídos e impactos também são sentidos em todos os outros países.

Já é sabido que o dólar é a moeda referência em todo mundo, e por um simples motivo: EUA detém o domínio político-econômico na atual conjuntura, embora esteja sendo desafiado pela China. Além disso, só é possível comprar petróleo, principal fonte energética do planeta, com dólares americanos.

Portanto, muitos investidores sentem mais confiança no dólar. Isso acontece porque o sistema de dinheiro no mundo todo é baseado na confiança de que o país emissor de moeda terá capacidade de pagar suas dívidas. Logo, quanto mais forte é a economia de um país, maior tenderá a ser o poder de compra de sua moeda. 

Além disso, há muitos outros fatores que afetam a moeda de um país, sendo os principais: risco-país, políticas monetárias, fiscais econômicas e estrutura econômica. A resposta para entender o problema do dólar alto no Brasil está na análise destes fatores.

A situação brasileira

Na década de 2000, o Brasil viveu sua “Era de Ouro”. Somos um país em desenvolvimento que exporta muita soja, milho, petróleo, minério, café e boi gordo, ou seja, as principais commodities mundiais. Todas essas mercadorias estavam extremamente valorizadas por conta do agressivo crescimento chinês, que demandava commodities em larga escala.

A economia brasileira também começou a década passada com o exorcismo do fantasma da inflação, que assombrava o país há décadas. Em 2003, o Brasil convergiu em um governo que prezava por políticas de gastos bem agressiva, com o estado definindo os rumos do desenvolvimento.

A combinação de um cenário internacional estável, economia brasileira crescendo e a valorização dos commodities deixou o Brasil em uma excelente posição até o ano de 2011, quando o ciclo de crescimento chegava perto do fim. Em 2013, o cenário começou a virar, a economia parou de crescer e o país entrou em recessão no ano seguinte.

Leia também:

Qual é a diferença entre uma depressão e recessão econômica?

Ponto de inflexão

Em 2016, o país viu seu ponto de inflexão e o esgotamento da atual conjectura política. O Brasil entrou em uma situação fiscal gravíssima, com o aumento de 56% para 76,53% do endividamento, elevando o risco-país para seu maior grau no século XXI, o que significa que o Brasil poderia dar calote na dívida caso a situação continuasse piorando.

Crescimento da relação dívida/pib no Brasil

O risco fez com que muitos investidores estrangeiros retirassem seus dólares do país. Muitos deles pegam dinheiro emprestado em países com juros mais baixos e aplicam em  países com juros mais altos. Mas, com juros mais altos o país tem mais risco, o problema é que o risco do Brasil não compensava a recompensa de juros.

Com menos dólares circulando na economia, significa que a moeda ficará mais cara. Foi exatamente o que aconteceu. Em 2016 entra um novo presidente que muda os rumos da política econômica, se comprometendo a promover reformas para corrigir a situação fiscal. O dólar começa a cair lentamente e continua em tendência de baixa até o final de 2019.

A taxa de juros brasileira nesse meio tempo caiu de 14,25% para 5,25% e no começo de 2020 chegou no patamar mais baixo da história, em 3,75%. As reformas estavam sendo feitas, o Brasil voltava a crescer, mesmo que lentamente, mas ainda assim, o dólar voltou a subir. O que deu errado?

O problema da economia mundial

Lá em 2018, os Estados Unidos entrou em uma Guerra Comercial com a China. Isso significa que os dois países aumentaram as restrições do comércio internacional entre eles, impondo tarifas elevadíssimas. Isso impactou também todos os outros países, que têm EUA e China como seus principais parceiros.

A economia global, que entrou em um ciclo de expansão no começo da década de 2010, também via um esgotamento e começava a dar claros sinais de fraqueza em 2018. No entanto, o Federal Reserve (Banco Central dos Estados Unidos) sinalizou que não aumentaria as taxas de juros na economia americana, o que acalmou os mercados.

No entanto, chegamos em 2020, e o que vimos foi um aumento do risco global com uma série de eventos acontecendo em um curto espaço de tempo combinados com o aumento do risco de recessão, como a morte de Qassem Soleimani, no Iraque, que deixou iminente o risco de uma guerra entre Irã e Estados Unidos. 

O principal deles: o avanço do novo coronavírus, cujos primeiros casos surgiram entre o final de dezembro e o começo de janeiro na China, mas já ganharam o mundo; e, mais recentemente, a crise do petróleo, provocado por uma disputa entre Rússia e Arábia Saudita, países importantes no ramo petrolífero.

O problema com o Brasil

Na última vez que falamos da economia brasileira, se falou sobre crescimento lento e juros nos patamares mais baixos da história. O fato é que o Banco Central do Brasil começou a reduzir as taxas de juros para fazer a economia crescer. 

Juros mais baixos significa mais crédito, mais dinheiro para o empresário investidor, mais empregos e mais consumo.

O problema é que no Brasil, antes de se preocupar com juros, o empresário precisa lidar com questões trabalhistas, alta burocracia e impostos. Os dois últimos fatores ainda não foram “reformados”. O resultado foi que a economia não cresceu o esperado, o desemprego demorou para cair e o baixo crescimento frustrou até os investidores estrangeiros.

Juros baixos, economia estagnada… Carregando estes atributos, o Brasil se tornou menos atrativo para o investidor estrangeiro e ele começou a tirar seu dinheiro daqui, basta ver o recorde de saída de estrangeiros da bolsa brasileira. Os gringos foram para outros países mais atrativos e o dólar começou a subir junto com a bolsa.

Crescimento do PIB brasileiro por trimestres 

Chega 2020 e, logo de cara, já vem Irã x EUA, Rússia x Arábia Saudita e Coronavírus. Não tem moeda que aguente tantos choques de uma só vez, principalmente se o país ainda está fragilizado. Com essa série de eventos, a moeda brasileira foi a que mais se desvalorizou no mundo frente ao dólar comercial.

Cotação do Dólar no Brasil em 2020

por que o dólar subiu tanto em 2020
Cotação do Dólar. Fonte: TradingView

Vale lembrar que o Brasil é o terceiro maior comprador de dívida norte-americana. Isso significa que temos uma reserva de cerca de US$ 350 bilhões de dólares. O que deixou Paulo Guedes à vontade para convidar o investidor a especular contra o Real Brasileiro, pois seria confortável para o governo vender sua reserva com o dólar a R$ 5.

Principais credores da dívida norte-americana

credores da dívida americana
Fonte: HowMuch

O dólar vai continuar subindo?

Se o Banco Central e o governo continuarem na dinâmica atual, o dólar vai continuar subindo, e dólar a R$ 7,00 não parece tão distante assim. O cenário econômico mundial mudou e todo mundo está comprando dólar, moedas fortes e ativos escassos como Ouro para se proteger da crise.

Leia também:

Ouro atinge máxima histórica, Prata e Bitcoin também disparam com enfraquecimento do dólar

A economia brasileira passará por uma recessão e o Banco Central já disse que pretende continuar reduzindo juros. Qual investidor estrangeiro vai querer colocar dólares no Brasil, um país que não cresce e que paga juros baixos? Nenhum, pois o risco não compensa. 

Paulo Guedes não vai aumentar juros em um cenário de recessão econômica. Pelo contrário. O governo vai socorrer a economia com pacotes fiscais e fragilizar ainda mais a sua situação fiscal para os próximos anos. 

A única coisa que poderia fazer o dólar voltar a crescer seria a economia brasileira ter um crescimento fenomenal, com uma taxa de juros atrativa para o investidor estrangeiro e que, ao mesmo tempo, não iniba o crescimento. E isso parece ser bem improvável para o momento.

3 Comments

  1. Avatar

    Muito bom! Tenho uma certa dificuldade em entender de forma profunda economia, mas esse texto possui uma leitura bem leve e muito bem escrito Parabéns!! Uma pena q a notícia não é boa e estamos ferrados! Compras no exterior estão fora de questão. Os fretes estão absurdos!

  2. Avatar
    PAULO GUEDES Reply

    Entendi perfeitamente, não entendia nada antes, mas esse texto me ajudou

Write A Comment