amms

O que são Automated Market Makers (AMMs)?

Neste artigo, iremos realizar uma explicação sobre o protocolo que rege toda a operação de exchanges descentralizadas (DEXs). Os market makers automatizados, (AMMs na sigla em inglês) são definidos como um protocolo subjacente que oferece poderes a todas as exchanges descentralizadas. 

Em síntese, são mecanismos de negociação automatizados, que eliminam a necessidade de exchanges centralizadas. Além disso, excluem a necessidade de técnicas de formação de mercado. Acompanhe o artigo e fique por dentro de um dos assuntos mais comentados no universo do criptomercado. 

Funcionamento das exchanges centralizadas

Para que possamos entender a importância dos formadores de mercados automatizados (AMMs), anteriormente devemos compreender o que acontece nas exchanges centralizadas e quais as suas principais dificuldades. 

Uma exchange centralizada supervisiona as operações de traders e fornece um sistema automatizado capaz de garantir que as ordens estão de acordo com o solicitado. Para entender melhor seu conceito, vejamos o exemplo de um Trader A que decide comprar bitcoins no valor de US $34 mil.

Sendo assim, a exchange garante que haja o encontro de um Trader B, que queira vender seu BTC no mesmo valor, onde a taxa da exchange deve ser a mesma do Trader A. Dessa forma, a exchange centralizada funciona como um intermediário entre o Trader A e o Trader B.

Em outras palavras, seu trabalho é fazer com que o processo seja o menos desatado quanto possível,  combinando as ordens de compra e venda em tempo recorde. Contudo, o que acontece quando uma exchange não consegue combinar ordens de compra e venda simultaneamente? Neste cenário, nós dizemos que a liquidez dos ativos em questão está baixa.

Veja também: Conheça o projeto que quer popularizar o DeFi

Cenário de baixa liquidez

Sendo assim, quando a liquidez está baixa, slippage costuma ocorrer. Em outras palavras, o preço de um ativo no momento da execução do negócio muda consideravelmente antes de ser completado. Isso também ocorre em terrenos voláteis como no mercado de criptos. Portanto, as exchanges precisam garantir que as transações sejam executadas instantaneamente, no intuito de reduzir a probabilidade de slippage.

Com isso, para atingir um sistema fluido de negociação, exchanges centralizadas dependem de traders profissionais ou instituições financeiras. Isso é necessário para prover liquidez aos pares negociantes. Estas entidades criam múltiplas ordens de oferta e demanda para combinar as ordens de comerciantes do varejo. Isso garante que as contrapartes estão sempre disponíveis para todas as negociações. 

Dessa forma, os provedores de liquidez assumem o papel de formadores de mercado (market makers). Em outras palavras, a formação de mercado incorpora os processos necessários para fornecer liquidez aos pares de negociação.

Veja também: Conheça Illuvium, game baseado em blockchain

O que são market makers automatizados (AMMs)?

amms

Diferente de exchanges centralizadas, DEXs (exchanges descentralizadas) buscam erradicar todos os intermediários envolvidos no processo de negociação de criptomoedas. Eles não possuem um sistema de correspondência de ordens ou uma infraestrutura de custódia. Dessa forma, as DExs promovem uma autonomia onde usuários podem iniciar negociações direto com carteiras sem custódia.

Além disso, DEXs substituem o sistema de combinação e o livro de ordens com protocolos autônomos chamados market makers automatizados (AMMs). Estes protocolos utilizam smart contracts (programas de computadores autoexecutáveis) para definir o preço dos ativos digitais e prover liquidez. Aqui, o protocolo agrupa liquidez em smart contracts. 

Dessa forma, em essência, os usuários não estão tecnicamente negociando com suas contrapartes. Em vez disso, eles estão negociando com a liquidez presa dentro de smart contracts. Estes smart contracts também são chamados de pools de liquidez. Sendo assim, somente indivíduos com alto patrimônio líquido ou empresas podem assumir o provedor de liquidez de uma exchange tradicional.

Quanto aos market makers automatizados (AMMs), qualquer entidade pode se tornar um provedor de liquidez. Basta que atinja os requerimentos que estão codificados nos smart contracts. Exemplos de market makers automatizados incluem a Uniswap, Balancer e Curve.

O papel dos provedores de liquidez

Como discutimos anteriormente, os market makers automatizados (AMMs) precisam de liquidez para funcionar corretamente. Pools que não estão adequadamente fundamentados, são suscetíveis a slippages. Para mitigar este problemas, market makers automatizados encorajam os usuários a depositar os ativos digitais em pools de liquidez. Dessa forma, outros usuários podem negociar através destes fundos.

Sendo assim, como incentivo, o protocolo recompensa os provedores de liquidez (LPs) com uma fração das taxas pagas nas transações executadas no pool. Em outras palavras, imagine que seu depósito representa 1% da liquidez presa no pool. Você vai receber um token LP que representa 1% das taxas de transação acumuladas nesse pool.

Dessa forma, quando um provedor de liquidez deseja sair do pool eles resgatam seu token LP. Em paralelo, recebem sua participação nas taxas de transação. Além disso, market makers automatizados emitem tokens de governança para provedores de liquidez. 

Com isso, conforme sua marca é ampliada, um token de governança permite ao seu holder em ter direito de voto. Estes podem votar em questões relacionadas a governança e desenvolvimento do protocolo AMM.

Oportunidades de yield farming

Além dos incentivos citados anteriormente, provedores de liquidez podem também se capitalizar através de yield farming, que prometem aumentar os ganhos. Para conseguir esse benefício, tudo que você precisa é depositar a proporção apropriada de ativos digitais no pool de liquidez. Uma vez que o depósito é confirmado, o protocolo AMM vai te enviar LP tokens.

Com isso, em algumas situações, você pode depositar, ou realizar o stake, desse token em um protocolo separado de empréstimo. Com isso, é possível ganhar juros extra através dessa estratégia. 

Além disso, você terá conseguido maximizar seus ganhos capitalizando na composição, ou interoperabilidade, dos protocolos de finanças descentralizadas (DeFi). Contudo, você vai precisar resgatar o token de provedor de liquidez para realizar a retirada desses fundos do pool de liquidez inicial.

Conclusão

Market makers automatizados (AMMs) são a base de atuação das finanças descentralizadas (DeFi). Essencialmente, permitem que qualquer um crie mercados de forma perfeita e eficiente. Embora possua limitações comparadas a um livro de pedido de exchanges, a inovação trazida para o mundo cripto é incalculável.

Sendo assim, os AMMs ainda estão em seu estágio inicial. Os AMMs que conhecemos e utilizamos hoje, como a Uniswap, Curve e PancakeSwap são elegantes em design. Contudo, são bastante limitados em recursos. Existem outros diversos AMMs com designs mais inovadores vindo no futuro. Isto deve levar a taxas menores, menor atrito e mais liquidez para todos os usuários de DeFi.

Com isso, os AMMs apresentam tecnologia que prova ser um instrumento financeiro essencial para o ecossistema DeFi. Estes estão em rápida evolução e apresentam sinal de uma indústria em estágio de amadurecimento.

Veja também: O que é e como funciona uma DEX? Conheça suas vantagens

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts