MOSI3, dona de Buscapé e Zoom – Vale a pena entrar?

Na última sexta-feira (5), a Mosaico, dona das plataformas Buscapé, Zoom e Bondfaro,  teve a melhor estreia na história da bolsa, com alta recorde, em volume negociado de R$ 876 milhões.

A Mosaico Tecnologia (MOSI3) precificou oferta inicial de ações (IPO) a R$ 19,80 por ação. No entanto, em seu primeiro dia de pregão os papéis da empresa saltaram 96,97%, cotados a R$ 39. Segundo a Economatica, a disparada configura a estreia com a maior alta desde 2011. 

Mas afinal, o preço justifica o valor da empresa? Venha descobrir quais as perspectivas para o setor, como a empresa ganha dinheiro, quais são as suas vantagens competitivas e quais são os riscos para o seu negócio. 

Veja também: O que esperar da bolsa no mês de fevereiro ?

MOSI3 – Sua história

A Mosaico tem sua origem em 1999, quando Guilherme Pacheco, José Guilherme Pierotti e Roberto Malta desenvolveram o site Bondfaro, uma ferramenta de busca de produtos que permitiria aos consumidores comparar preços e características dos itens pesquisados rapidamente.

Em maio de 2005, o Buscapé, seu principal concorrente, anunciou a compra das operações do Bondfaro em toda a América Latina após receber um aporte do fundo de private equity Great Hill Partners, empresa que investe em setores como mídia, comunicação, internet e software para processamento de transações. 

Dessa fusão foi criado o maior site de pesquisa de preços da América Latina. Em 2009, o Buscapé foi vendido por US$ 342 milhões para a Naspers, multinacional sul-africana, reconhecida como um dos maiores investidores em tecnologia do mundo.

No ano seguinte, o Zoom foi criado, como uma empresa de conteúdo que ajudasse o usuário a comprar de forma inteligente, com alertas de preço que avisam quando o preço cai, especialistas que ajudam o usuário a encontrar o produto mais adequado, e artigos e vídeos comparando produtos. 

Após dez anos no controle da companhia, a Naspers vendeu a operação de pesquisas de preço para o grupo Mosaico, controlado pelos idealizadores iniciais, Guilherme Pacheco, José Guilherme Pierotti e Roberto Malta. 

Hoje MOSI3 se posiciona como a maior plataforma digital de conteúdos e originação de vendas, onde é possível encontrar o histórico de preços do produto, as lojas e saber o que outros consumidores acharam do produto, isso tudo sem precisar sair da página. Todo esse processo facilita a tomada de decisão. 

 “Faça uma busca!”

Seu principal modelo de negócio é a comparação de preços e lojas, registro de alertas de compras e tomada de decisões com base nas informações técnicas disponibilizadas no site. Além disso, os usuários contam com outros benefícios, como as análises feitas por especialistas, que visam esclarecer todas as dúvidas dos consumidores por meio de vídeos e comentários, destacando as vantagens e as desvantagens de cada produto.

Já entendemos que o principal objetivo da Mosaico é ajudar o consumidor em sua jornada de compra, a fim de facilitar sua tomada de decisão e de compra. Mas a pergunta que fazemos é como isso se reverte em lucro para a empresa. A estratégia é bem simples para ser sincero, gerar tráfego em sua plataforma, cobrar por cliques e por publicidade (ads). 

Se observarmos sua geração de receita, iremos perceber que 92 % da receita líquida vem do Custo-Por-Clique. As outras fontes, ainda incipientes, são intermediação, ou seja, trata-se do comissionamento de uma fração do valor de compra pago à Mosaico, correspondendo a 3,5% do faturamento total. 

Somente em 2020, foram mais de 705 milhões de visitas, mais de 500 lojas parceiras e 1,4 mil categorias de produtos. Entre as mais vendidas estão smartphones, eletrodomésticos e eletrônicos.

receitas - mosi3

Crescimento MOSI3

O histórico de crescimento da empresa brasileira de tecnologia é impressionante. Nascida com 10 mil reais de capital inicial e atingindo 4,9 bilhões de reais depois de duas décadas.

Entre 2017 e 2019, a Mosaico apresentou um crescimento médio de +15% na receita líquida, +62% no Ebitda e +86% no lucro líquido.

receita líquida - mosi3

Segundo o prospecto, nos últimos três anos a receita cresceu a uma taxa anual de 30%. No segundo trimestre, cujos dados são a base da oferta, a MOSI3 originou um GMV de R$ 1,1 bi em sua plataforma, fazendo um faturamento de R$ 66,8 mi e um EBITDA de R$ 22 milhões, com margem de quase 40%. Hoje a companhia tem 173 funcionários entre Rio e São Paulo. 

A alta expressiva nos últimos 12 meses, mostram claramente os efeitos provocados pelo distanciamento social e a pandemia, onde a maioria dos consumidores optaram por fazer suas compras online. 

Esse fortalecimento no crescimento na receita possibilitou a diminuição de custos e despesas e trouxe o crescimento de +94% no Ebitda dos últimos 12 meses.

Ebitda mosi3

“Amigos, amigos, negócios à parte”

Cerca de 38 % do tráfego da companhia é orgânico, ou seja, sem custo, e 62 % é comprado de grandes fornecedores como Facebook e Google. Os grandes competidores da companhia são o Google e o Facebook. Segundo a pesquisa IAB Ad Spend 2019, 51% dos investimentos em mídia online no ano de 2019 foram feitos via essas duas plataformas. 

É importante ressaltar que a Mosaico não vende produtos. A empresa apenas informa o consumidor as qualidades dos produtos e o direciona para as varejistas de menor preço. Para se ter uma ideia, hoje, apenas 4% das vendas online passam através da Mosaico. No entanto, 70% das receitas de Mosaico são concentradas nas quatro grandes varejistas:  Magazine Luiza (MGLU3), B2W (BTOW3), Via Varejo (VVAR3) e Amazon. 

Podemos dizer que se trata de uma relação  simbiótica entre as varejistas e a Mosaico. Onde as varejistas são beneficiadas com o aumento de tráfego gerado pela Mosaico, que, por sua vez, é remunerada por clique ou por performance de venda e, por fim, o cliente também é beneficiado ao receber cashback ou algum outro tipo de incentivo pela compra. 

O risco existe

É evidente que as plataformas de e-commerce da MOSI3 “criam” fluxos para as varejistas, no entanto, as varejistas não estão nada felizes em pagar um “pedágio” para a empresa comparar os preços de seus produtos, ao mesmo tempo que aumenta a competição por preço entre as varejistas. 

O crescimento forte de Mosaico nos últimos anos atrapalha o sono de algumas das maiores empresas do Brasil e do mundo. É preciso estar atento ao que a empresa fará para continuar firme no mercado, mantendo suas vantagens competitivas.

Pensando à frente 

Lançando suas ações ao mercado, a empresa planeja se tornar a maior plataforma digital de conteúdo e originação de vendas para e-commerce do País, trazendo maior eficiência operacional e aumentando sua parceria com as grandes varejistas.

A empresa planeja incluir em seus sites a venda de produtos usados, o chamado re-commerce, sites de vendas internacionais, como o AliExpress, e começar a gerar vendas para o varejo offline. 

Além disso, pretende utilizar parte dos recursos para pagar a dívida com o BTG e crescer em categorias como moda, móveis e beleza. 

Conclusão 

Entendida a qualidade da companhia e todas as oportunidades de crescimento da plataforma, a Mosaico Tecnologia (MOSI3), dona dos sites Buscapé, Zoom e Bondfaro, negociando a 20x Ebitda e 23x lucros, parece ser um ótimo negócio em um portfólio diversificado.

Total
4
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts