Ford anuncia fechamento de suas Fábricas no Brasil

A Ford anunciou no dia de hoje (11) que vai fechar todas as fábricas que tinha no Brasil, que ao todo eram 3, frente a uma reestruturação dos seus negócios dentro da América do Sul. Com isso, a produção de carros da Ford no Brasil não será mais realizada em 2021.

Porém, o seu escritório de desenvolvimento de produtos na Bahia, assim como qualquer outra operação com negociação de não manufaturados, vai continuar no cenário nacional. Com o fim das operações, cerca de 5 mil funcionários foram demitidos.

Leia também:

Por que o investidor estrangeiro está indo embora do Brasil?

Os países que incluirão a continuação das atividades de fabricação dos carros da Ford na América do Sul são apenas Uruguai e Argentina. No Brasil, ainda deve continuar funcionando seu campo de provas e também sua sede regional, ambos localizados em São Paulo.

A Ford começou a reduzir sua produção no Brasil a partir de 2019, onde já havia parado de produzir o Fiesta, que tinha sua linha de produção realizada em São Bernardo do Campo. Agora ocorre o fechamento das fábricas localizadas em Taubaté-SP e também a de Camaçari-BA.

Com isso, ocorre também o fim da produção dos tão conhecidos modelos do Ford Ka e do EcoSport que eram produzidos em Camaçari, e também os seus motores que eram feitos em Taubaté.

A partir do último trimestre de 2021, a Ford vai encerrar também a fábrica localizada em Horizonte, no Ceará, onde era realizada a fabricação dos veículos da Troller. Sendo assim, o ano de 2021 se encerrará também com o fim da histórica presença da Ford dentro do Brasil.

Com isso, os últimos veículos da Ford que serão vendidos no Brasil, são os que restaram nos estoques. As plantas, por sua vez, serão fechadas em meio as negociações e um acordo mútuo com os sindicatos, com o qual a Ford promete um diálogo.

Um ponto importante é que os serviços ao consumidor a respeito de assistência técnica dos que já são clientes da Ford no Brasil continuarão funcionando, incluindo a reposição de peças.

O presidente e também CEO da Ford, Jim Farley, disse em nota que a decisão tomada de fechamento das fábricas no Brasil foi “muito difícil’, mas que no final das contas acabou sendo necessária e inevitável, até por uma questão de que talvez não seria possível manter o negócio sustentável e saudável no Brasil.

O economista-chefe e sócio da MB Associados, Sergio Vale, destaca questões pontuais ligados a crise na economia em 2015 e a pandemia, mas também problemas estruturais da indústria automobilística, o que fez com que colaborasse para esta decisão da Ford no Brasil.

Sergio Vale comentou que: “Na saída desta crise, especificamente, será certo o aumento da desigualdade de renda e a demora para a queda do desemprego. Haverá menos espaço para compra de automóveis no ritmo que se viu na primeira década do século. Por isso, continuaremos a ver reestruturações na indústria como nesse caso”.

O impacto disso é relevante no Brasil, uma vez que a Ford fomentava a geração direta e indiretamente de muitos empregos no cenário nacional, e agora, acaba por deixar mais de 5 mil pessoas desempregadas de forma direta dos que trabalhavam nas fábricas.

O lançamento de diversos novos modelos eletrificados já estão nos planos da Ford em seu portfólio de produtos no cenário global. Essas e outras novidades da empresa estarão disponíveis aos países que continuarão com ela, entre eles, a Argentina, que foi o local onde se fabricou recentemente o novo modelo, picape Ranger.

Total
5
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts