Equipe de Trump prevê até mais US$ 1 trilhão de estímulo para economia dos EUA

Funcionários do governo Trump esperam cada vez mais gastar US$ 1 trilhão na próxima rodada de estímulos econômicos.

Enquanto as autoridades se uniram nesse limite depois que o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, disse que o projeto poderia se aproximar de US$ 1 trilhão, o presidente Donald Trump não tomou uma decisão final. Trump disse que deseja incluir um pacote de infraestrutura e outras medidas no próximo estímulo que levaria os gastos além desse valor.

McConnell disse que não há planos para colocar em prática o estímulo antes do recesso de duas semanas, de 3 de julho, deixando a ação em qualquer medida após 20 de julho. A administração e os legisladores estão sob pressão para impulsionar a economia norte-americana, o que foi causado por medidas adotadas para retardar a disseminação do coronavírus.

Mais de 40 milhões de pessoas perderam o emprego desde que os estados começaram a restringir a atividade pública em março. Como resultado da pandemia, a economia encolherá cerca de US$ 8 trilhões nos próximos 10 anos, disse o Escritório de Orçamento do Congresso em um relatório divulgado esta semana.

Trump se reuniu com os assessores econômicos da Casa Branca, Larry Kudlow e Kevin Hassett, na quarta-feira, sobre a próxima rodada de estímulo à pandemia. Além da infraestrutura, Trump e outros principais assessores adotaram inúmeras disposições para a próxima lei de estímulo. 

Isso inclui alterações nos benefícios de desemprego, um crédito fiscal de volta ao trabalho para os trabalhadores que retornam aos seus empregos, um corte na folha de pagamento, proteções de responsabilidade e deduções fiscais para empresas pelas despesas com restaurantes e entretenimento dos trabalhadores.

Com a reabertura das empresas em todo o país, os americanos continuaram solicitando benefícios de desemprego, embora esses pedidos tenham desacelerado, segundo dados do Departamento do Trabalho divulgados quinta-feira (4 de junho).

Em maio, a Câmara aprovou uma medida de alívio de US$ 3,5 trilhões, com quase US$ 1 trilhão em ajuda a estados e governos locais que enfrentam déficits de receita. Esse projeto também forneceria uma nova rodada de pagamentos diretos de estímulo a indivíduos, além de dinheiro para testes e rastreamento de contatos.

Informações da Bloomberg

Enquanto isso no Brasil…

A economia brasileira deve sofrer um duro golpe no PIB. As estimativas do boletim Focus apontam uma expectativa de até 6,25% de contração da atividade econômica. O setor de serviços é o mais sensível a qualquer choque na economia. Como ele gera grande parte dos empregos, a tendência é que o número de desempregados cresça ainda mais no Brasil.

O Banco Central vem atuando pesado no mercado de câmbio para conter a alta do dólar. Nos últimos meses, o BC vendeu mais de US$ 560 milhões de uma reserva de mais de US$ 320 bilhões. O Dólar caiu de R$ 5,96 no dia 8 de maio para R$ 5,01 no dia 3 de junho.

Outra atuação do Banco Central foi na injeção de R$ 135 bilhões através de cortes na taxa de compulsório, recursos que os bancos precisam deixar imobilizados em caixa para evitar problemas de liquidez. Também houve corte de juros para 3,0% a.a quando a taxa estava em 3,75% a.a.

O Governo Federal, por sua vez, estuda uma prorrogação do auxílio emergencial com mais duas parcelas de R$ 300. O fato é que o Brasil sairá com uma situação fiscal muito pior do que quando entrou na pandemia. O que serve como atenuante é que essa será uma tendência mundial.

Na bolsa, Ibovespa opera em alta de 0,89% nos 93 mil pontos (estava em 63 mil em março). O dólar segue também em alta, cotado nos R$ 5,13. O mercado parece ter absorvido as expectativas de recessão e agora opera com otimismo.

Total
60
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts