Dólar digital ? entenda o que é e como funciona o Tether

Dólar digital ? entenda o que é e como funciona o Tether

Muitos criticam a utilização de Bitcoin e outras criptomoedas devido a sua forte volatilidade, além disso, aqueles que buscam investir em criptomoedas como reserva de valor, se frustram com essa característica.

Dessa forma, o que seria particularmente bom para aqueles que desejam especular utilizando criptoativos, não parece muito interessante para aqueles que apenas desejam utilizar a criptomoeda como ferramenta de troca ou ainda como reserva de valor.

Como resultado dessas preocupações, surgiu o conceito de stablecoins, como é o caso da moeda tema de hoje, a Theter (USDT). Ou seja, essas Moedas possuem como lastro ativos pouco voláteis, sendo ideais para essas finalidades. Nesse sentido falaremos hoje sobre ela, a rainha das stablecoins, para muitos, símbolo de dólar digital.

História do Theter

O projeto foi desenvolvido por Brock Pierce (ex-ator de Hollywood e candidato à presidência dos EUA em 2020), Reeve Collins e Craig Sellars. Sendo lançado inicialmente como RealCoin, ganhou o nome Theter, através da Theter Ltd. empresa que emite seus tokens e administra o lastro fiduciário.

Inicialmente emitida no protocolo Bitcoin através da Omni Layer Protocol. Posteriormente passou para outras blockchains.

Embora tenha sido criada com essa finalidade, nem sempre o Theter foi estável, sua negociação teve início em fevereiro de 2015 na Bitfinex. No entanto, em seus primeiros dias de lançamento, apresentou forte volatilidade, se estabilizando apenas de 2019 para cá.

Como funciona o Theter

O Theter como dito, é uma stablecoin. O que implica que existe lastro fiduciário, nesse caso, em dólar. Originalmente a moeda foi vínculada para uma proporção de 1 para 1, ou seja US$1 equivale a cada USDT em circulação.

Para que isto seja possível, a empresa que faz a gestão do ativo, a Tether Limited deve emitir o valor correspondente em Tethers para cada dólar depositado. Mantendo em custódia as reservas fiduciárias.

Dessa forma, a Tether Limited é obrigada a divulgar regularmente os documentos referentes a custódia além de resultados de auditorias.

Além disso, outro ponto de importante destaque, é que diferente do Bitcoin, não é possível minerar Tether, sendo o processo de criação exclusivo da companhia que faz gestão, no caso a Tether Limited.

Principais características do Theter

O Theter possui características que o diferenciam das outras moedas digitais. Uma delas é a já comentada proporção de 1:1 entre ela e o dólar. Dessa forma, acarretando em estabilidade, algo também incomum entre outras moedas.

Assim sendo, quando criptomoedas como Ethereum ou Bitcoin apresentarem forte volatilidade, devido as suas características de paridade, o investidor pode rapidamente trocar essas criptomoedas mais voláteis pela Theter, sem ter que se ausentar da segura rede blockchain.

Importante ressaltar que as explicações relacionadas a essa paridade, nunca foram convincentes. Um outro ponto interessante é a possibilidade de transferências instantâneas entre exchanges e o uso de contratos inteligentes para diversos fins.

Vantagens da utilização do Tether

 

As vantagens do Tether estam relacionados a praticidade em movimentar dolar, sem taxas ou a comum burocracia. Além disso, o USDT, facilita os diversos tipos de transação, já que são ágeis e possuem menos complicações do que as do sistema financeiro tradicional.

Outro ponto interessante é que o Tether é uma ótima opção para se negociar Bitcoins via dólar. Para se ter uma noção, cerca de 80% do trading total de Bitcoin é feito em Tether.

Sendo, portanto, a stablecoin com maior volume de negociação do mundo, consequentemente a criptomoeda para este fim mais popular.

Com isso, também é relevante destacar que a USDT também pode ser comprada via P2P, ou seja, de outros usuários que possuam a moeda em suas carteiras.

Riscos da utilização do Tether

Embora seja a mais popular das stablecoins, nem tudo são flores, recentemente a Theter passou por alguns escândalos que abalaram sua reputação. Ainda que não saibamos até que ponto isso pode afetar o volume de negociação no futuro, é importante destacar esse fato.

A primeira vista, quando a Tether iniciou suas atividades, a empresa gestora do ativo declarou emitir um USDT para cada dólar depositado. Dessa forma, o cliente sempre poderia resgatar os USDT em dólar.

No entanto, o especialista Fernando Ulrich, Mestre em Economia da Escola Austríaca e conselheiro do Instituto Mises Brasil, já alertava em 2018, sobre sua desconfiança em relação a esse sistema. Além de ressaltar que tanto a Bitfinex e a Tether Limited tinham o mesmo CEO.

Em outras palavras, Ulrich afirmava não ser possível ter certeza de que a Tether realmente estava lastreando os tokens em dólar na proporção de 1 para 1 (o que posteriormente se descobriu ser falso).

Com essa possibilidade de risco envolvendo a credibilidade da moeda, surge uma preocupação com as outras que atuam de forma parecida (Stablecoins).

Outras opções de Stable Coins além do Tether

Com a possibilidade de queda no volume de liquidez da Tether, outras opções interessantes surgem como alternativa. Esse volume negociado deve ir para USDC e BUSD. Sendo a USDC uma stablecoin da Coinbase (EUA) e a BUSD uma stablecoin da Binance.

A USDC se mostra mais segura nesse sentido, dado que a empresa frequentemente passa por auditorias com os órgãos reguladores, tendo que comprovar seu lastro com dólar na proporção de 1 para 1.

Enquanto a BUSD, se apresenta como uma alternativa interessante para aqueles que desejam fazer trading ou scalping em criptomoedas, devido a sua maior liquidez comparado a USDC.

Outro fator relevante de destaque, é o fato da BUSD pertencer a Binance, o que pode implicar em demasiada concentração, caso o usuário opere utilizando essa exchange.

Conclusão

Moedas como a Tether e outras lastreadas em dólar, são importantes como ativos de trocas e reserva de valor. Apesar de outros projetos existentes com mesmo objetivo, trouxe para esse artigo as que se apresentam como mais relevantes.

Contudo, é preciso entender as suas necessidades no momento de compra, avaliar a confiança do mercado em cada uma delas e estar atento aos acontecimentos que envolvem esses projetos.

Por fim, acredito que com a rápida dinâmica desse mercado, logo, teremos um ou mais novos projetos consolidados com esse objetivo, o mundo anseia por menos complexidade nas transações financeiras e as stablecoins existem exatamente para esse fim.

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts