O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 22 pontos em abril, na comparação com março deste ano. Com isso, o indicador chegou a 58,2 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, o menor nível da série histórica iniciada em setembro de 2005. O mínimo histórico anterior era o de dezembro de 2015 (64,9 pontos), com a grande recessão brasileira.

Tanto as avaliações sobre o presente quanto as expectativas em relação ao futuro recuaram. O Índice de Situação Atual, que mede a confiança no presente, caiu 10,5 pontos, para 65,6 pontos, o menor nível desde dezembro de 2016 (64,8 pontos).

Já o Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, recuou 28,9 pontos para 55 pontos, o menor valor da série histórica. Dentre os quesitos que integram o ICC, o indicador que mede a intenção de compras de bens duráveis nos próximos meses foi o que mais contribuiu para queda do indicador.

De acordo com a pesquisadora da FGV Viviane Seda Bittencourt, com a pandemia de covid-19 e as consequentes medidas de isolamento social, os consumidores percebem a piora da situação econômica do país e o quanto isso afeta suas condições financeiras nesse momento.

“É difícil ainda enxergar uma melhora significativa nos próximos meses, dado o nível elevado de incerteza econômica e política”, afirma Viviane Seda Bittencourt.

Leia também:

Mercado financeiro precifica queda de 3,34% do PIB

A previsão de queda da economia este ano está cada vez maior, devido aos efeitos de medidas de isolamento social necessárias para o enfrentamento da pandemia de covid-19.

Pela 11ª semana seguida, as instituições financeiras revisaram a projeção de queda do Produto Interno Bruto (PIB), soma dos bens e serviços produzidos no país. Desta vez, a estimativa de queda passou de 2,96% para 3,34%.

Contudo, vale ressaltar que essa é apenas uma mediana das expectativas do mercado financeiro. Portanto, a opinião individual de cada participante do mercado pode ser diferente em relação à mediana, dado que ela só pega os dados centrais com o maior número de participantes.

Algumas instituições como FGV e FMI projetam um recuo mais agressivo na economia brasileira. O fato é que só nos próximos meses que o cenário começará a ficar mais claro, aumentando a precisão das análises preditivas.

Projeção do PIB, Relatório Focus

A informação consta do boletim Focus, com projeções de instituições financeiras para os principais indicadores econômicos, divulgado às segundas-feiras pelo Banco Central (BC). A previsão do mercado financeiro para o PIB de 2021 é de crescimento de 3%. A previsão anterior era 3,10%. Para 2022 e 2023, a previsão de crescimento continua em 2,50%.

Dólar deverá continuar em alta

Com a crise econômica, o Banco Central deverá continuar no corte de juros para facilitar acesso ao crédito e tentar fazer a economia crescer. Contudo, isso gera um problema: o risco-país do Brasil, juros baixos e a estagnação econômica não atraem o investidor estrangeiro.

Cotação do dólar entre 2017 e 2020

dólar em alta
Fonte: TradingView

Além disso, o cenário de risco global mudou completamente. Investidores estão buscando refúgio em dólar, ouro e outras moedas fortes. Todos esses cenários combinados fazem com que o Real se deprecie frente ao dólar. Até o momento, a moeda brasileira foi a que mais desvalorizou entre os países emergentes.

Com isso, a tendência é que o dólar continue se desvalorizando. O Banco Central não elevará a taxa de juros em plena recessão. Muito pelo contrário: continuarão flexibilizando a Selic através de mais cortes. Atualmente, ficar com 100% do seu dinheiro alocado em Real está ficando cada vez mais arriscado.

Ativos escassos como Imóveis, Ouro e Bitcoin se tornam cada vez mais necessários em um mundo em que governos emitem cada vez mais dinheiro.

Adaptado de Agência Brasil.

Write A Comment