Confiança do comércio reduz pela quarta vez consecutiva. Entenda os motivos.

O Índice de Confiança no Comércio (Icom), teve uma queda de 0,9 ponto no mês de janeiro, frente ao comparativo com o mês de dezembro. A informação foi repassada pela Fundação Getúlio Vargas nesta quarta-feira (27) durante a manhã.

Agora o índice atinge o patamar dos 90,8 pontos, o que ressalta a quarta queda consecutiva em relação à confiança dos comerciantes, demonstrando um momento que não é dos melhores para o setor. A Fundação Getúlio Vargas reiterou o fato de que os dados em queda mais uma vez ressaltam a cautela dos consumidores, conforme mostram os dados das vendas do comércio.

Além disso, a FGV disse que “Apesar do avanço das expectativas em relação aos próximos meses, a melhora ainda não reflete otimismo, apenas uma redução do pessimismo. Diante desse cenário, ainda não é possível vislumbrar uma retomada consistente do setor nos próximos meses, que depende da recuperação do mercado de trabalho e da confiança do consumidor”.

Veja também: Altas dívidas dos países marcam o cenário pós-pandemia

A mesma nota publicada pela FGV diz que essa queda tem muito a ver com outro índice importante, que é o Índice de Situação Atual (ISA-COM), que caiu cerca de 3,6 pontos, atingindo o menor patamar desde junho do ano passado.

O Índice de Expectativas (IE-COM), por sua vez, teve um avanço de 2 pontos, trazendo à tona o fato de que embora a percepção do impacto da pandemia sobre o comércio atualmente esteja piorando, a expectativa de que tenhamos uma melhora a curto/médio prazo está aumentando, provavelmente pelo início da vacinação no país.

“Analisando as empresas em dois grupos, o de revendedores de bens essenciais e os de demais bens, é possível observar comportamentos diferentes ao longo da pandemia.” afirmou a FGV, em nota.

Sobre essa análise, a instituição complementa que “O primeiro quase não sofre o impacto inicial justamente por revender itens de necessidades básicas, enquanto o segundo sofreu forte impacto e depois se recuperou. Nos últimos meses, ambos vêm percebendo piora do ritmo de vendas, sendo mais acentuada nos revendedores dos demais bens”.

A FGV ainda aponta alguns motivos pelos quais as vendas do comércio têm sido mais moderadas, o que também acaba afetando a confiança dos comerciantes frente ao número de casos da Covid-19 que apenas aumenta no Brasil.

Sobre isso, aponta-se que o fim do auxílio emergencial estaria entre os principais motivos pelos quais mantém os consumidores com menos condições para comprar, e até mesmo os que têm algum dinheiro guardado estão bem mais cautelosos no consumo, optando por itens de maior necessidade e em construir reservas de emergência.

Além disso, a confiança dos comerciantes se encontra abalada por conta da lenta recuperação do mercado de trabalho, cujos números referente ao desemprego no país se encontram bastante elevados, chegando a mais de 14 milhões de pessoas sem trabalho ainda no final de 2020.

Veja também: O que esperar do setor automotivo em 2021 e no pós-pandemia?

Total
9
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts