Bernie Madoff, homem que realizou a maior fraude financeira da história, morre aos 82 anos

Bernie Madoff, homem que realizou a maior fraude financeira da história, morre aos 82 anos

Bernard L. Madoff, o homem que realizou a maior fraude financeira da história, morreu aos 82 anos, nesta quarta-feira (14), de causas naturais, enquanto cumpria sua sentença de 150 anos  em uma penitenciária federal dos EUA.

Em fevereiro de 2020, seus advogados entraram com documentos judiciais para tentar libertá-lo da prisão devido à pandemia COVID-19, alegando que Madoff sofria de insuficiência renal, hipertensão e problemas cardíacos. No entanto, o escritório do procurador dos EUA informou que o crime de Madoff foi “sem precedentes em extensão e magnitude” e era “razão suficiente” para negar o pedido.

A pirâmide financeira de Madoff

Já comentamos detalhadamente por aqui os motivos que levaram Bernard L. Madoff a sua prisão.

Veja também: Bernie Madoff: o maior piramideiro da história

Em resumo, este único homem foi capaz de devastar instituições e milhares de investidores em todo o mundo,  enquanto o sistema financeiro entrava em convulsão em crise em 2008, quando a economia mergulhou na pior recessão desde a Grande Depressão.

Madoff ajudou a inaugurar uma era de negociações eletrônicas,  presidindo o mercado de ações Nasdaq e  atuando no conselho do próprio regulador do setor financeiro.

Tal influência, ajudou a atrair investimentos de políticos, executivos corporativos,  fundos de caridade, fundos de universidades, fundos de investimento e famílias ricas da Europa, da América Latina e da Ásia, celebridades e executivos de Hollywood, membros do clube de campo da Flórida  e universidades.

Durante anos, todos eles desfrutaram de retornos de dois dígitos que eram consistentemente fortes, mas não exorbitantes o suficiente para despertar suspeitas generalizadas. Madoff se utilizava de relatórios financeiros muito bem elaborados e contava com a confiança dos reguladores e das importantes pessoas que investem seu dinheiro com ele.

O que eles não sabiam era que, na verdade, os lucros obtidos por Madoff não eram das negociações de ações ou opções, mas de novo dinheiro atraído para um esquema Ponzi, como proporções gigantescas.

Veja também: O que é uma pirâmide financeira ou esquema ponzi?

A descoberta

Quando o mercado hipotecário dos EUA começou a mostrar problemas, em 2007, e o financista não conseguiu arcar com a crescente demanda por saques de seus investidores, ficou evidente que ele organizou um esquema fraudulento.

Entre os traídos estavam alguns dos maiores nomes do país: o empresário de talk-show Larry King, o ganhador do Nobel e sobrevivente do Holocausto Eli Wiesel e o proprietário do New York Mets Fred Wilpon.

Além disso, as comunidades judaicas foram particularmente atingidas. No sul da Califórnia, a Federação Judaica da Grande Los Angeles e a Fundação da Comunidade Judaica de Los Angeles sofreram perdas de milhões de dólares, assim como as fundações financiadas pelo diretor de cinema Steven Spielberg e pelo executivo de Hollywood Jeffrey Katzenberg.

Muitas das vítimas do esquema tiveram que vender suas casas após observar todo o seu investimento evaporar. Outros foram forçados a procurar trabalho muito depois de se aposentarem.

Veja também: Jérôme Kerviel, o homem que quase quebrou banco francês em 4,9 bilhões de Euros

A depressão profunda era muito comum, disse Ron Stein, presidente da Rede para Ação e Proteção do Investidor, um grupo de defesa formado depois que o esquema de Madoff veio à tona. Em um caso extremo, um importante investidor francês cortou seus pulsos, matando-se em seu escritório em Midtown Manhattan.

“É terrível”, disse Stein, cuja família da esposa investiu em Madoff. “A sensação de frustração, a sensação de traição, a sensação de ter desistido – é estonteante.”

Em suma, Madoff roubou de seus investidores cerca de US $65 bilhões, incluindo os lucros com papéis falsos que provaram ser apenas miragem, confessada a seus dois filhos, na véspera de sua prisão em 11 de dezembro de 2008.

Sua fraude de décadas, iniciada durante os anos 90 e alavancada no ano 2000, superou facilmente todos os golpes anteriores, incluindo o do próprio Charles Ponzi, um século atrás. Ao todo foram mais de 30 mil vítimas ao redor do mundo que acreditaram nos resultados do “guru financeiro”.

Essa surpreendente revelação expôs falhas profundas na capacidade do governo federal de policiar Wall Street, aprofundando a desconfiança dos investidores e levando a uma grande reforma da Comissão de Valores Mobiliários.

Prisão de Madoff

Madoff se tornou tão odiado, que teve que usar um colete à prova de balas para ir ao tribunal. Madoff confessou ser culpado em março de 2009 de fraude e outras acusações, dizendo que estava “profundamente arrependido e envergonhado”.

“Eu cometi um erro de julgamento”, disse Madoff. “Recusei-me a aceitar o fato de que, pela primeira vez na vida, fracassei. Eu não podia admitir esse fracasso, e isso foi um erro trágico. ”

Madoff foi condenado a 150 anos de prisão, por orquestrar um esquema Ponzi estimado entre US$ 25 bilhões e US$ 63 bilhões e mais 11 acusações criminais.

Desde então, o financista estava cumprindo a pena em um centro de detenção na Carolina do Norte, nos EUA.

Além disso, na prisão, segundo o jornalista Steve Fishman, apresentador do podcast “Ponzi Supernova” e que manteve contato com Madoff no centro de detenção, o financista chegou a monopolizar a venda de chocolate quente.

“Ele comprou todos os pacotes de Swiss Miss (marca de chocolate quente) no armazém e os vendeu com lucro no pátio da prisão“, disse Fishman, em janeiro de 2017, para o site de notícias financeiras americano MarketWatch.

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts