Mesmo com reajuste, salário mínimo não acompanha aumento de preços

Mesmo com reajuste, salário mínimo não acompanha aumento de preços

Mesmo com o reajuste do salário mínimo em 2021, os brasileiros não estão tendo ganho real por conta do rápido avanço da inflação nos oito primeiros meses do ano. Entre os produtos que acumulam maiores altas desde o início do ano, destaque para as carnes que subiram 8%, frango 11%, conta de luz com um avanço de 10% e o botijão de gás que subiu 23%.

O salário mínimo em 2021 foi elevado para R$ 1.100, porém está perdendo poder de compra muito rapidamente ao longo do ano, à medida que a inflação avança e acaba obrigando aos consumidores a realizar aumento nos preços.

Inflação dos últimos oito meses já é maior que os anos anteriores

Em apenas oito meses, a inflação já supera os outros anos anteriores. Em 2020, por exemplo, o INPC chegou a 5,5% e em 2019 o máximo registrado foi de 4,5%. Com esses detalhes, o salário mínimo que foi reajustado pela última vez no em janeiro, já perdeu R$ 62 em seu valor de compra.

Isso quer dizer que ter R$ 1.100 hoje em mãos é suficiente para realizar compras que no mês de janeiro custavam em média de R$ 1.038. A última vez que a inflação havia chegado a um patamar controlado foi em 2006, quando fechou o mês de agosto em 1,16% de aumento.

Salário mínimo deve ser reajustado de acordo com a lei da Constituição Federal

Fica garantido de acordo com a Constituição Federal que o salário mínimo deve ser reajustado ao menos uma vez por ano e geralmente esse reajuste é feito todo mês de janeiro.

Porém, como a inflação sempre é gerada pelo próprio Governo ao longo dos meses, é normal que esse valor acabe perdendo valor, sendo necessário realizar um novo reajuste para corrigir essa defasagem. E defasagem é algo que o brasileiro entende bem, pois segundo a Dieese, o salário mínimo no Brasil já deveria ser de R$ 5.000,00.

Isso significa que ao fim do ano, o piso salarial sempre chega em condições de desvantagem para a população, somado que os bancos não tratam de aumentar a taxa selic no mesmo índice da inflação, o que também torna o dinheiro guardado na poupança uma outra perda de valor, não acompanhando o INPC.

Inflação prejudica os mais pobres

A dinâmica atual da inflação prejudica muito mais os pobres do que a classe média ou alta. Estas pessoas normalmente não têm nenhum tipo de investimento para se protegerem da inflação. Este grupo normalmente gasta todo o seu dinheiro com a compra de itens básicos e despesas como contas de energia e água.

A alta mais considerável da inflação prejudicou em especial o preço dos alimentos, que consome o maior valor do salário mínimo, o que nos dias atuais corresponde a 25% de sua renda. E nas capitais esse custo é bem maior, pois cidades como Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro e Florianópolis, já se tem cestas básicas acima de R$ 600.  

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts