Lucas Bassotto

Escrito por

Author

Economista, trader e especialista em conteúdo sobre economia, finanças e criptomoedas.

A economia da China encolheu nos primeiros três meses de 2020, sua primeira contração desde 1992. A principal razão para a recessão é que a produção e os gastos foram congelados pelo bloqueio do coronavírus no país.

O Centro Nacional de Estatística informou na sexta-feira que o produto interno bruto caiu 6,8% durante o trimestre. A China não registrou um ano inteiro de contração desde a década de 1970.

Crescimento econômico chinês por trimestre. O gráfico exibe as mudanças percentuais anuais no PIB. Fonte: CNBC.

A forte contração reflete a fraqueza nos gastos dos consumidores e na confiança dos investidores diante do novo coronavírus, que arrasou as economias em todo o mundo

A cidade chinesa de Wuhan, onde o vírus surgiu pela primeira vez, revisou o número de mortos em mais 50% nesta sexta-feira (17/abr), de 2.579 para 3.869, já que a cidade afirmou ter desenvolvido uma imagem mais clara da pandemia ao longo do tempo.

Notícia relacionada:

Varejo é o setor que mais sofre na China

Os dados econômicos divulgados na sexta-feira mostraram que a produção industrial caiu 1,1% em relação ao ano anterior, as vendas no varejo de bens de consumo caíram 19%, o investimento em ativos fixos caiu 16,1% e as importações/exportações caíram 6,4% – todos os dados vieram pior do que estimado.

queda da economia chinesa
Atividade econômica na china por setor (Varejo e Industrial). As linhas mostram as mudanças percentuais nos indicadores de Varejo (Retail Sales) e Indústria (Industrial production). Fonte: CNBC

A China estava ansiosa, no entanto, por apresentar pontos positivos, dizendo que o desenvolvimento econômico e social nacional em geral no primeiro trimestre foi estável, apesar do surto do COVID-19.

“O resultado é modesto no lado positivo do que acreditamos ter acontecido no primeiro trimestre”, disse Miguel Chanco, economista sênior da Ásia no Pantheon.

“Mas os dados oficiais estavam muito próximos da realidade mundial, e isso deve ser bem-vindo, apesar da imagem condenatória que eles pintam sobre os dados da economia chinesa”, disse ele sobre as estatísticas da China.

Chanco também disse que os analistas do Pantheon esperam uma contração de um ano inteiro, apesar de notar que “é improvável que as manchetes oficiais mostrem isso”.

Economia chinesa servirá de base para entender outras economias

O economista americano Nouriel Roubini observou na sexta-feira que o declínio do PIB da China era uma “taxa que vai medir o tamanho do colapso econômico mundial”. Roubini disse que o início de abril mostrou um crescimento econômico positivo para o país, mas o colapso no primeiro trimestre foi “impressionante”.

“Uma queda de 6,8% no PIB é um choque extraordinário para a economia chinesa e, implicitamente, para o resto do mundo”, disse Richard Pearson, diretor da plataforma de investimentos EQi.

Pearson sugeriu que os dados da China eram um indicador importante ao considerar o impacto para o Ocidente, enquanto ele ainda passa pelo auge da pandemia. Ele disse acreditar que o impacto seria mais severo no Ocidente por causa da diferença na natureza das respostas do governo, que parecia ter resultado em menores mortes registradas na China.

Connor Campbell, analista financeiro da SpreadEx, tinha uma visão diferente. Ele disse que “dado que alguns analistas esperavam uma contração de quase 11% no primeiro trimestre (da China), talvez haja uma razão insuficiente para se ter uma visão otimista destes dados”.

crescimento da economia
Perspectiva do crescimento econômico Chinês. Fonte: HowMuch

O crescimento econômico da China ainda é extraodinário quando consideramos o “Bigger Picture”. A economia China cresceu 14 vezes desde 1989. A dívida americana cresceu 4 vezes no mesmo período, contra um crescimento de 2 vezes da economia americana.

Fonte: Business Insider

Write A Comment