Cripto dicionário: Entenda os termos e conceitos

Dicionário cripto: Entenda os termos e conceitos

É inegável dizer que a tecnologia está mudando tudo em nossas vidas. A pandemia ao nível global só serviu para ressaltar ainda mais essas mudanças, na qual, com o distanciamento social, fomos obrigados a nos comunicar com familiares e amigos apenas usando inovações tecnológicas.

Mas essas mudanças não surgiram recentemente, grande parte do mundo já vem se acostumando a comprar pela internet e pagar produtos e serviços cada vez mais usando cartões de débito e crédito. Desse modo, o papel das moedas tradicionais, como é o caso do nosso Real, está sendo alterado para aceitação das moedas digitais, por um novo processo que vai muito além de fronteiras entre países, criando uma disruptura no sistema financeiro tradicional.

Essa maior aceitação das moedas digitais cresce constantemente, com o valor da classe de ativos emergentes devido à procura dos investidores. A primeira criptomoeda, o Bitcoin, deu um novo rumo para o sistema financeiro.

Nas principais bolsas de criptomoedas houve uma disparada de mais de 35%, totalizando US$ 2,4 trilhões, segundo dados da empresa de pesquisa de mercado CryptoCompare.

Diversas moedas virtuais surgiram após a criação do Bitcoin. Com esse fato, vários termos e expressões utilizados no criptomercado começaram a ser frequentemente  utilizados.

Nesse sentido, no intuito de auxiliar o investidor no entendimento sobre as criptomoedas, elaboramos um minidicionário com as palavras mais utilizadas pela comunidade.

Altcoins

O termo Altcoin é a combinação das palavras Alternative e Coin, ou seja, é uma moeda alternativa. As Altcoins são moedas virtuais alternativas, que foram criadas após o surgimento e popularização do Bitcoin,  que funcionam através da Blockchain.

As Altcoins possuem algoritmos próprios com funcionalidades diferentes das do Bitcoin. Geralmente, procuram maior velocidade para o processamento das transações.

De acordo com o site CoinMarketCap, um dos maiores agregadores de dados sobre criptomoedas,  existem mais de 7.600 altcoins, onde cada uma delas possui diferentes cotações e projetos distintos, que se encaixam de acordo com o que o investidor procura.

Por exemplo, se alguém busca por anonimato, o Monero é a moeda que oferece transações não rastreáveis. No entanto, caso o objetivo seja realizar transações em dólar sem dificuldades, há o Tether. Ou seja, um verdadeiro  leque de possibilidades de investimentos e usos.

Blockchain

Não é possível falar de criptomoedas sem falar de Blockchain. O termo Blockchain surgiu do encontro do universo da tecnologia com o das finanças em 2028, ganhando a atenção do mundo em poucos anos.

A tecnologia Blockchain foi capaz de possibilitar a criação do Bitcoin e de diversas outras criptomoedas, como Ether e Litecoin.

Em resumo o Blockchain é um sistema que permite rastrear o envio e recebimento de alguns tipos de informações pela internet. São pedaços de código gerados online que carregam informações conectadas, tais como blocos de dados que formam uma corrente, daí o nome.

Em outras palavras, o Blockchain funciona como um banco de dados virtual, no qual  todas as informações e dados de um determinado processo ficam registradas de maneira pública.  É através dele que ocorre o funcionamento e transação das chamadas criptomoedas, ou moedas digitais.

Cripto dicionário: Entenda os termos e conceitos

Cold Wallet

O Cold Wallet ou Carteira fria, em tradução, é uma carteira de criptoativos off-line, considerada a forma mais segura de guardar suas criptos, tem em vista que manter as criptomoedas fora da internet é a melhor maneira de evitar um ataque de hackers, que podem tomar todos os seus ativos em um instante.

As Cold Wallet são capazes de armazenar de maneira offline, as chaves privadas na máquina física, no entanto, para receber fundos e fazer movimentações, é preciso estar online.

Exchange

As Exchanges nada mais são do que plataformas de negociação para compra e venda de criptomoedas. Essas empresas encontram-se disponíveis no Brasil e em todo o mundo, onde cada uma define suas taxas, comissões, métodos de pagamento, etc.

As exchanges visam conectar pessoas que querem vender a pessoas que desejam comprar criptomoedas, assegurando que os compradores recebam os ativos e que os vendedores recebam o dinheiro negociado, de forma segura e transparente.

Existem diversas Exchanges no mercado brasileiro, entre elas a fintech brasileira Nox Bitcoin, que apesar de “nova” no mercado de BTC’s, com atuação iniciado em 2018, foi eleita como uma das melhores exchanges em 2019, por possui os melhores preços de compra e venda, taxa zero para intermediação, liquidez com capital próprio e agilidade no atendimento.

Hash

A função hash é um algoritmo matemático utilizado para realizar criptografia, no intuito de que haja uma transformação de dados, tal como um arquivo, senha ou informações, através de um conjunto alfanumérico com comprimento fixo de caracteres.

Em resumo, a criptografia hash é utilizada para resumir uma grande quantidade de dados, verificar integridade de arquivos e garantir a segurança de senhas dentro de um servidor.

Cripto dicionário: Entenda os termos e conceitos

Hot Wallet

A Hot Wallet ou Carteira quente, em tradução, é uma carteira de criptoativos online,  que permanece sempre conectada à Internet e à rede blockchain para a qual elas são criadas. Tal conexão permite que seus usuários realizem transações de forma mais rápida e confortável.

As Hot Wallets podem ser distinguidas em dois tipos, a primeira através de um serviço da Web que facilita o acesso e transações de criptomoedas. A segunda pode ser realizada através de um software de download gratuito para computadores ou smartphones, projetados para receber e gerenciar criptomoedas.

Peer-to-peer (P2P)

Peer-to-peer (P2P) ou Ponto-a-ponto, em tradução, é um sistema de transações que pode ser realizado diretamente de uma pessoa para a outra, sem a necessidade de ter um intermediário para fazer as negociações como um Banco ou um servidor central. Dessa forma, cada computador funciona como servidor e cliente ao mesmo tempo.

Cripto dicionário: Entenda os termos e conceitos

O Blockchain é uma rede P2P, dessa forma, a existência da tecnologia Blockchain e consequentemente das criptomoedas está diretamente ligada à tecnologia da rede peer-to-peer.

No caso de operações que envolvem criptomoedas, não existe instituição centralizadora que realize as operações financeiras na rede, a operação é feita pelos mineradores, que podemos considerar como os clientes, conectados nessa grande rede única, oferecendo o recurso computacional deles para o funcionamento e descentralização do Blockchain.

Mineração

Em resumo, a mineração de criptomoedas é a tarefa de encontrar a chave que criptografa os blocos, chamadas de “hash”.

Mineração é o nome dado ao processo que consiste em verificar, confirmar e publicar as transações válidas de Bitcoin e outras criptomoedas dentro da Blockchain, com objetivo de garantir que elas ocorram de maneira segura, sem que uma moeda possa ser enviada mais de uma vez.

Os mineradores são basicamente voluntários que deixam seus computadores atuando dia e noite, auxiliando na confirmação de novas transações. Pelo trabalho, que demanda custos em energia e depreciação das máquinas utilizadas, os usuários são recompensados em criptomoedas, em quantidade proporcional ao trabalho realizado por suas máquinas no processo.

Multi-sig

O Multi-sig ou assinatura múltipla em tradução, é um recurso que permite que uma transação de criptomoedas seja realizada apenas se houver a autorização de um grupo de pessoas.

Esse tipo de função, geralmente, é utilizada por empresas de modo a evitar que gastos sejam feitos sem o consentimento de todos os membros que possuem as chaves da carteira.

Dessa forma, ao utilizar uma carteira multisig, os usuários evitam problemas relacionados a perda ou roubo de uma chave privada. Neste caso, mesmo que uma das chaves seja comprometida, os fundos ainda estarão seguros.

Proof-of-Stake (PoS)

O surgimento do proof-of-stake foi uma tentativa de solucionar os problemas de custo, ineficácia e suscetibilidade em relação à centralização relacionada ao proof-of-work.

A premissa básica é que, em vez de adquirir caros equipamentos para minerar blocos antes de um adversário, cada nó “validador” (minerador) da rede adquire as moedas usadas no sistema específico do blockchain.

Em resumo, na PoS as criptomoedas estão sendo disponibilizadas para minerar um bloco, onde são bloqueadas e após um determinado período de tempo, o dono recebe suas criptomoedas de volta, além das taxas recebidas.

Caso a rede não seja validada corretamente, as taxas e o investimento serão perdidos. Em suma, na PoW, os validadores estão investindo eletricidade e poder de computação, enquanto no PoS, os validadores “comprovados” estão investindo seu dinheiro.

Cripto dicionário: Entenda os termos e conceitos

Proof-of-Work (PoW)

No Blockchain, antes que as informações possam ser acrescentadas, os nós devem chegar a um acordo comum sobre o estado atual do livro contábil distribuído, de modo que possam concordar sobre um conjunto específico de regras e com uma avaliação específica das informações de transação ao Blockchain.

Para alcançar um consenso em na rede, o Proof of Work (PoW) ou prova de trabalho em tradução, é utilizado. 

Neste caso, os mineradores tentarão adivinhar um número aleatório que deverá fornecer o hash certo para esse bloco de transações.

Por exemplo, o hash para o bloco # 429818, extraído em 14 de setembro de 2016, por exemplo, é 000000000000000004dd3426129639082239efd583b5273b1bd75e8d78ff2e8d. A recompensa do bloco para esse hash bem-sucedido foi 12,5 BTC.

Esse bloco sempre conterá 2.012 transações envolvendo pouco mais de 1.000 bitcoin, bem como o cabeçalho do bloco anterior. Se alguém tentasse alterar o valor de uma transação em até 0,000001 bitcoin, o hash resultante seria irreconhecível e a rede rejeitaria a tentativa de fraude.

Dessa forma, o Proof of Work garante que os blocos não possam ser adicionados à blockchain sem executar o trabalho necessário. Como resultado, um nó malicioso não pode validar facilmente blocos e adicionar o que ele quiser na blockchain. Se ele tentar, outros participantes da rede descartariam seu bloco e todos saberiam que o bloco não é válido. 

Cripto dicionário: Entenda os termos e conceitos

Conclusão 

O mundo das criptos é repleto de termos, siglas e palavras que, talvez, muitos de vocês não estejam habituados. Por conta disso, reunimos alguns dos termos e conceitos mais importantes neste Cripto dicionário. 

Veja também: Primeiro ETF de Bitcoin da bolsa brasileira

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts