Lucas Bassotto

Escrito por

Author

Economista, trader e especialista em conteúdo sobre economia, finanças e criptomoedas.

Recentemente, o mundo tem voltado seus olhos para a guerra comercial entre China e Estados Unidos. As duas maiores potências econômicas do mundo tem entrado em rota de colisão quando falamos em comércio. Trump, presidente dos Estados Unidos, argumenta que os chineses estão praticando concorrência desleal e roubando a propriedade intelectual dos americanos.

Diante disso, os EUA aumentaram tarifas para produtos importados da China. Os chineses retruram aumentando as tarifas dos produtos importados dos EUA e ainda desvalorizaram sua moeda. Esse conflito comercial tem aumentando o medo de desaceleração da economia mudial, o que também reflete diariamente no mercado de ações. Esse texto vai explicar como funciona uma guerra comercial.

guerra de tarifas entre eua e china

O que é uma guerra comercial?

Uma guerra comercial acontece quando um país quer fazer retaliações contra outro, aumentando as tarifas de importação ou colocando outras restrições nas importações do país oposto. 

Uma tarifa é um imposto sobre os bens importados de um país específico. Em uma economia global, uma guerra comercial pode se tornar muito prejudicial para os consumidores e empresas de ambos países, e o contágio dessa guerra pode crescer até afetar muitos aspectos de ambas as economias.

As guerras comerciais são um efeito colateral do protecionismo, que consiste em ações e políticas governamentais que restringem o comércio internacional. 

Um país geralmente empreende ações protecionistas com a intenção de proteger negócios e empregos domésticos contra a concorrência estrangeira. 

O protecionismo também é um método usado pelo governo para equilibrar os déficits comerciais. Um déficit comercial ocorre quando as importações de um país excedem os valores de suas exportações.

Pontos importantes

  • Uma guerra comercial acontece quando um país aumenta as tarifas sobre as importações de outro país em resposta ao aumento das tarifas do primeiro país.
  • As guerras comerciais são um efeito colateral das políticas protecionistas.
  • As guerras comerciais são controversas.
  • Os defensores dessas políticas dizem que as guerras comerciais protegem os interesses nacionais e proporcionam vantagens às empresas domésticas.
  • Os críticos das guerras comerciais afirmam que acabam prejudicando empresas, consumidores e a economia local.


Os princípios de uma guerra comercial

As guerras comerciais podem começar se um país perceber que um país concorrente possui práticas comerciais desleais. 

Os sindicatos domésticos ou os lobistas do setor podem pressionar os políticos para tornar os bens importados menos atraentes para os consumidores locais, levando a política internacional a uma guerra comercial. 

Uma guerra comercial que começa em um setor pode crescer e afetar outros setores. Da mesma forma, uma guerra comercial que começa entre dois países pode afetar outros países não envolvidos inicialmente na guerra comercial. 

Essa prática tem efeitos negativos sobre o relacionamento comercial entre dois países, pois seus objetivos estão relacionados especificamente ao comércio. 

Além das tarifas, as políticas protecionistas podem ser implementadas estabelecendo um limite para as cotas de importação, estabelecendo padrões claros de produtos ou implementando subsídios governamentais para processos de dissuasão da terceirização.

Os prós e contras de uma guerra comercial

As vantagens e desvantagens das guerras comerciais, em geral, são objetos de um debate feroz e contínuo entre economistas e grupos políticos.

Os defensores do protecionismo argumentam que políticas, se bem elaboradas, podem oferecer vantagens competitivas para o país. 

Ao bloquear ou desencorajar as importações, as políticas de proteção possibilitam mais oportunidades de negócios para os produtores domésticos, o que acaba gerando mais empregos no país.

Essas políticas também servem para superar um déficit comercial. Além disso, os proponentes acreditam que tarifas dolorosas e guerras comerciais também podem ser a única maneira eficaz de lidar com uma nação que se comporte de maneira injusta ou antiética em suas políticas comerciais.

Prós

  • Protege as empresas domésticas da concorrência desleal
  • Aumenta a demanda por bens domésticos
  • Promove o crescimento do emprego local
  • Melhora os déficits comerciais
  • Pune nação com políticas comerciais antiéticas

Contras

  • Aumenta custos e induz inflação
  • Causa escassez de mercado e reduz escolha
  • Desencoraja o comércio
  • Retarda o crescimento econômico
  • Fere relações diplomáticas, intercâmbio cultural

Os críticos argumentam que o protecionismo geralmente prejudica as pessoas que se destina a proteger a longo prazo, sufocando os mercados e diminuindo o crescimento econômico e as trocas culturais. 

Os consumidores podem começar a ter menos opções no mercado. Eles podem até enfrentar escassez se não houver substituto interno pronto para os bens importados que as tarifas impactaram ou eliminaram. 

Ter que pagar mais por matérias-primas prejudica as margens de lucro dos fabricantes. Como resultado, as guerras comerciais podem levar a aumentos de preços – com produtos manufaturados, em particular, ficando mais caros – provocando inflação na economia local em geral.

Exemplo do mundo real de uma guerra comercial

guerra comercial exemplos

Enquanto concorria à presidência em 2016, o presidente Donald Trump expressou seu desdém por muitos acordos comerciais atuais, prometendo trazer empregos industriais de volta para os Estados Unidos de outras nações onde foram terceirizados, como China e Índia. 

Após sua eleição, ele embarcou em uma campanha protecionista. O presidente Trump também ameaçou retirar os EUA da Organização Mundial do Comércio (OMC), uma entidade internacional imparcial que regula e arbitra o comércio entre os 164 países que pertencem a ele.

No início de 2018, o presidente Trump intensificou seus esforços, particularmente contra a China, ameaçando uma grande multa por suposto roubo de propriedade intelectual (PI) e tarifas significativas de US$ 500 bilhões em produtos chineses, como aço e soja. Os chineses retaliaram com um imposto de 25% sobre mais de 100 produtos dos EUA.

Ao longo do ano, as duas nações continuaram se ameaçando, divulgando listas de tarifas propostas para vários bens. Em setembro, os EUA implementaram tarifas de 10%. Embora a China tenha respondido com tarifas próprias, as tarifas americanas tiveram um impacto na economia chinesa, prejudicando os fabricantes e causando uma desaceleração da economia.

Texto traduzido de: Investopedia

Write A Comment