Tradução do site NPR: Qual o futuro das cidades?

Nas últimas semanas, algumas grandes empresas sinalizaram que o trabalho remoto chegou para ficar. Os chefes de três dos maiores inquilinos comerciais da cidade de Nova York – JPMorgan Chase, Barclays e Morgan Stanley – disseram que é altamente improvável que todos os seus funcionários retornem aos seus arranha-céus de Manhattan. Não são apenas bancos. 

O Google fechou acordos para comprar 185 mil metros quadrados de espaço para escritórios urbanos. Jack Dorsey, CEO do Twitter, disse a seus funcionários que eles poderão trabalhar remotamente para sempre. 

Com tantos empregos bem remunerados, livres de seus escritórios urbanos, ficamos imaginando o que isso significa para o futuro das cidades. Por isso, chamamos o professor da Universidade de Harvard, Ed Glaeser, o principal estudioso de economia urbana. 

Em 2011, ele publicou um ótimo livro com um título que resume décadas de pesquisa: “Triunfo da cidade: como nossa maior invenção nos torna mais ricos, mais inteligentes, mais verdes, mais saudáveis ​​e mais felizes”. Alguns dos adjetivos de sua legenda parecem muito falsos no momento, e queríamos saber se ele ainda acha que as cidades triunfarão.

Leia também:

As cidades “superstars”

Glaeser continua sendo um defensor das cidades, mas ele diz que é possível que eles passem por um longo período de problemas. Ele se lembra da cidade de Nova York em que cresceu durante a década de 1970. 

Naquela época, os fabricantes saíram, a pobreza piorou, o crime e as drogas empurraram as famílias para os subúrbios, os valores das propriedades despencaram e a cidade quase declarou falência. Esse período sombrio para Nova York e outras cidades, diz ele, “deve nos lembrar que o sucesso urbano não é predeterminado”.

Algumas cidades, como Detroit, nunca se recuperaram totalmente dessa época. Mas, na década de 1990, Nova York e várias outras “cidades superstars”, como Seattle e São Francisco, voltaram com força. Na década seguinte à crise financeira de 2008, as grandes cidades americanas representaram mais de 70% do crescimento do emprego no país.

As cidades superstars tinham dois ímãs fortes, ambos atualmente em perigo. O primeiro foi o emprego de jovens profissionais que usam moletons, vestidos de calças e coletes da Patagônia, realizando o tipo de trabalho com o cérebro que prosperou na era dos mercados globalizados e da tecnologia da informação. 

Mesmo com os laptops, a Internet de alta velocidade e as videochamadas possibilitando um novo mundo de trabalho remoto, as grandes empresas reduziram o número de escritórios nas grandes cidades. 

Glaeser acredita que é porque as cidades são “máquinas de criatividade, lugares que conectam pessoas e permitem que trabalhem juntas e aprendam umas com as outras”. E na era da informação, o poder da colaboração humana na geração de novas ideias se tornou mais importante e mais lucrativo do que nunca.

O segundo ímã foi o entretenimento. Você sabe, todas aquelas lojas de lamen, bares ocultos, clubes de comédia, galerias de arte e cafeterias cheias de gente divertida com tênis exclusivos.

A ascensão de uma classe urbana de jovens profissionais com tempo e dinheiro para queimar alimentou um crescente ecossistema de coisas legais para fazer. Glaeser chama de “a cidade consumidora”.

Leia também:

O fator COVID-19

Mas cafés lotados e escritórios de plano aberto agora são terrenos baldios. Os restaurantes estão mortos e os escritórios deram lugar a chamadas para o Zoom e para o Slack. Na cidade de Nova York, cerca de 5% dos moradores saíram entre 1º de março e 1º de maio, mas nos bairros mais ricos, pelo menos 40% das pessoas saíram. Se a pandemia dura algum tempo, o que isso significa para a nossa geografia econômica?

Grandes choques nos centros urbanos podem mudar seu destino. Berlim costumava ser o centro econômico indiscutível da Alemanha, mas depois veio a Guerra Fria e sua divisão no Oriente e no Ocidente. 

Os perigos e dificuldades da situação levaram a um êxodo de pessoas e indústrias para o oeste. E, como a pesquisa dos economistas Daniel Sturm, Stephen Redding e Nikolaus Wolf descobriu, mesmo após a queda do Muro de Berlim, essas indústrias não voltaram. Como resultado, acredita Sturm, a Alemanha permanece mais descentralizada economicamente do que teria sido de outra forma.

Glaeser acredita que, pelo menos no curto prazo, as empresas que podem sobreviver sem escritórios continuarão permitindo que os trabalhadores trabalhem remotamente. Livres de ter que pagar aluguéis obscenos em selvas de concreto. 

Muitos desses trabalhadores, acredita Glaeser, se mudarão para cidades universitárias de baixa densidade como Boulder, Colorado, ou para destinos de férias lindos como Jackson, Wyoming.

Leia também:

A tendência dos êxodos urbanos

Já havia um êxodo de grandes cidades cada vez mais exorbitantes para cidades de médio porte mais acessíveis antes da pandemia e, diz Glaeser, se trabalhadores remotos suficientes “baterem seus pés”, as grandes empresas podem decidir abrir pequenos escritórios nesses locais quando a pandemia terminar.

Essa mudança seria obviamente uma má notícia para os proprietários de propriedades de grandes cidades, especialmente imóveis comerciais. E seria uma má notícia para os milhões de empregos em serviços urbanos. Enrico Moretti, economista da Universidade da Califórnia, calculou que todo trabalho em tecnologia suporta outros cinco empregos no setor de serviços.

Mas mesmo diante de uma pandemia, Glaeser continua acreditando na magia das cidades. Após milênios de doenças devastando lugares densos, os moradores da cidade descobriram maneiras de limitar o perigo com ciência, tecnologia e engenharia. Veja a cólera, que matou o trisavô de Glaeser em Nova York em 1849. 

Os cientistas descobriram como a doença se espalhava pela água suja; as cidades investiram bilhões de dólares em sistemas de água potável e esgoto; e a ameaça foi eliminada.

O metrô pode ser um lugar assustador por um tempo, mas, diz Glaeser, finalmente descobriremos como lidar com o COVID-19. E as forças que deram origem às cidades superstars não vão simplesmente desaparecer. 

As chamadas de Zoom continuam sendo um substituto pouco favorável para as conversas face a face, e as pessoas ainda desejam todas as coisas incríveis que a densidade cria.

Write A Comment