No mercado de ações norte-americano criou-se uma crença de que o período de Maio à Novembro talvez seja um momento ruim para começar a investir na bolsa. Com isso, há a hipótese de que a bolsa tem um ciclo de 6 meses de ótimos retornos e outros 6 meses de retornos abaixo da média.

Com isso, bastaria para o investidor vender suas ações em Maio, tirar umas férias e voltar lá para Outubro/Novembro recomprando todas as suas ações por um preço bem mais em conta. Eu sei, parece que é pura superstição. Mas, e se pegarmos os dados históricos para confirmar isso? Será que essa hipótese se manteria de pé?

Além disso, o “Sell in May and Go Away”, estratégia do Hemisfério Norte importada para o Brasil, funcionaria aqui no Hemisfério Sul? Lembre-se que as estações do ano e férias de verão caem em meses diferentes. Como veremos adiante, as férias de verão fazem toda diferença nessa teoria ou “crença”.

É só vender em maio e ir embora?

Não se sabe quem foi o exato criador dessa tese de investimento. O fato é que tem muita gente utilizando e que realmente acredita nisso. A hipótese para essa tese é: férias de verão. As pessoas vendem suas ações para gastar dinheiro nas férias e a economia fica menos produtiva.

Com isso, alguns setores tendem a sofrer mais do que outros em alguns períodos do ano, por conta da sazonalidade. Eu sei que parece uma loucura, mas você sabia que existem estudos que comprovam que mercados em dias frios oferecem retornos melhores do que dias quentes?

Somos seres humanos e nossas decisões são afetadas por externalidades. Logo, parecem fazer total sentido estas hipóteses, ao menos no racional. Mas será que elas passam no teste frio dos números? Ciências exatas são isso, 2+2 = 4, e por mais que você tente relativizar aquilo, estará errado no fim das contas.

Isso funciona para o pequeno investidor?

Bom, quem acredita na teoria tende a esquecer dos custos de transação e impostos. Quem negocia ações precisa pagar Imposto de Renda, que é bem pesado no Brasil e, além disso, tem que pagar a taxa de corretagem. Ou seja, não é barato operar ações aqui.

As principais armas do pequeno investidor são: consistência na frequência dos investimentos, reduzir custos de impostos, fazer preço médio e evitar taxas de transação. Se um pequeno investidor começa a rotacionar sua carteira, ele estará saindo do seu principal ponto: otimização da alocação de recursos.

Para o pequeno investidor, a melhor coisa a se fazer é a estratégia “Buy and Hold”, que consiste em comprar ações todo o mês com objetivo de segurá-las para o longo prazo. A estratégia de Sell in May and Go Away é de “timing”, na verdade seria um trade baseado em uma hipótese.

Leia também:

Vamos aos dados?

Para testar isso, fui no Investing.com e baixei todos os retornos mensais em um período de 2001 a 2019. Tirei a média dos retornos de cada mês considerando todos os anos e cheguei no seguinte gráfico:

Retorno médio mensal de 2001 a 2019 no S&P500

sell in may and go away
Sell in May and Go Away se aplica ao índice de ações no mercado norte-americano.

Podemos ver, que pelo menos na média, o mês de abril geralmente é excepcional. No entanto, meses de Maio, Junho, Agosto e Setembro são sofríveis. No período em que é recomendado ficar de fora, apenas Julho e Outubro têm retornos próximos a 1%, já o restante, ou fica próximo de zero ou -1%.

Enquanto isso, o período de Novembro a Abril acumula os melhores retornos médios e, de modo geral, também se sai melhor. Considerando os retornos médios de ambos os períodos, Maio a Outubro tem um retorno de 0,09%, enquanto a média de Novembro a Abril tem um retorno de 0,87%.

Retorno médio por períodos do ano

retorno médio por período
Retorno médio dos dois períodos do ano.

É curioso, mas pelo menos no S&P500, a tese do Sell in May and Go Away parece fazer sentido também nos retornos do índice. Quem investe de Maio a Outubro tende a se sair mal nesses 6 meses. Por outro lado, quem investe de Novembro a Abril tende a ganhar mais dinheiro.

Se pegarmos dados do Dow Jones Average Index, vamos perceber que no período 1950 a 2013, de fato registrou retornos menores nos meses de Maio a Outubro. Batendo com os dados acima, a hipótese do Sell in May and Go Away parece funcionar, ao menos nos Estados Unidos.

E no Brasil, o Sell in May and Go Away funciona?

Preciso lembrar você de uma coisa, o Brasil é um país de Hemisfério Sul e o verão ocorre de dezembro a março. Logo, as férias acontecem em períodos diferentes em relação aos amigos do norte. Contudo, é preciso lembrar que o investidor estrangeiro corresponde à quase metade do volume em nossa bolsa.

Com isso, os gringos têm bastante potencial de impacto caso resolvam todos utilizar esta estratégia de reposicionamento de mercado. Mas no Brasil, a lógica do Sell in May and Go Away consegue se manter de pé?

Eu acreditava que isso era só uma superstição. Mas quando puxei os mesmos dados no Investing, período de 2001 a 2019, me deparo com a seguinte informação: nos últimos 19 anos, de fato foi melhor investir entre Novembro e Abril.

Retorno mensal médio do Ibovespa entre os anos de 2001 e 2019

ibovespa
Sell in May and Go Away parece funcionar também no Ibovespa.

Quem investiu entre Maio e Outubro, teve um retorno médio de 0,21%. Quem optou pelo outro período, conseguiu ganhar 1,79% em média. Vale lembrar, que foi considerado apenas o índice para essa conta. E este índice é composto por uma grande variedade de ações.

Portanto, algumas empresas conseguem se sair bem em períodos de Abril a Novembro e outras conseguem retornos melhores entre Maio e Outubro. A razão para isso é que algumas se beneficiam desses períodos de sazonalidade, outras não.

A informação mais importante de todas

Mas a informação mais importante de todas foi o ganho acumulado de 650% no período. Ou seja, quem investiu R$ 10.000 no índice Ibovespa e deixou o dinheiro quieto por todo esse tempo, conseguiu retirar R$ 75.000, multiplicando em 6,5 seu patrimônio. Isso só mostra que quem investe com mentalidade de longo prazo tende a vencer.

Para o investidor médio, que não quer ficar o dia inteiro no computador, a melhor estratégia tem sido de fato acumular ativos todo o mês. Mercados de alta ou de baixa estão sempre aí. O importante é se manter no jogo e não quebrar seu patrimônio. Isso mostra a importância de investir aos poucos, mas com frequência.

No futebol, é vale mais um atacante que marca gols simples todo jogo do que aquele que marca 1 gol de bicicleta a cada 20 jogos. No geral, o investidor médio que é disciplinado sempre tende a ser o maior vendedor dos mercados de renda variável. Ele vai conseguir ter retornos e, algumas vezes, vai conseguir marcar um golaço.

Já os atacantes que só querem fazer golaços, perdem muitas oportunidades e, nesse meio tempo, podem ser sacados do time e ir para o banco de reservas, perdendo as chances de fazer mais gols. Isso nos ensina a seguinte lição: no mercado, ganha quem é paciente e consistente no longo prazo.

Write A Comment