João Vitor

Escrito por

Author

Trabalha como consultor financeiro, é estudante de Engenharia Química pela Unesp e escreve sobre temas relacionados a economia, finanças e investimento.

Os ativos podem ser definidos como os bens e direitos que uma determinada pessoa ou empresa possui. Além disso, também há um conceito no qual o ativo possui um valor, sendo assim, é possível converter um ativo para um valor monetário

Existem alguns tipos importantes de ativos, que nos ajudam a entender como essa divisão entre eles funciona e, dessa forma, podemos analisar todas as possibilidades que temos de investimento no mercado com a divisão desses grupos.

Ativos dentro da contabilidade

Dentro da contabilidade os principais tipos de ativo são: ativos circulantes, não circulantes e permanentes. Essa classificação está diretamente ligada à sua liquidez, ou seja, na facilidade ou dificuldade de converter o ativo em um valor monetário.

Os ativos circulantes são os mais fáceis de converter em um valor monetário em um menor período de tempo. Podem ser até estoques, dívidas a receber, dentre outros. Os ativos não circulantes, por sua vez, são mais difíceis de transformá-los no formato monetário a curto prazo, sendo assim, a estratégia da obtenção desses ativos deve estar relacionada a um pensamento de um período um pouco maior.

Já os ativos permanentes são aqueles que são usados diretamente nas atividades da empresa, sendo assim, máquinas, patentes, softwares, etc. Os investimentos ou sociedades também entrar nesse grupo, entrando um pouco melhor no ponto que queremos chegar.

Classes de ativos no mercado financeiro

A classificação dos tipos de ativo dentro do mercado financeiro se dá de uma forma um pouco diferente, pois estamos tratando aqui da parte mais ligada a investimentos.

Sendo assim a divisão aqui seria: Ativos permanentes, podem ser por exemplo ações e bônus; Ativos fixos, que podem ser prédios, imóveis ou até mesmo direitos autorais; ativos diferidos, que são investimentos aplicados em pesquisa, por exemplo.

Após destrincharmos um pouco melhor o que é um ativo, explicitando seus tipos tanto na contabilidade como também no mercado financeiro, que tem suas particularidades, vamos falar um pouco melhor sobre classes de ativos dentro do mercado financeiro.

Temos milhares de ativos para investir a todo o tempo, e coletar informações de cada um deles não é uma tarefa fácil. Sendo assim, foram criados tipos de ativos, para facilitar ao investidor entender as características daquele ativo de seu interesse, além de poder consultar todas as possibilidades que ele tenha naquela mesma linha de interesse.

Desta forma, uma classe de ativo nada mais é do que um agrupamento dos ativos de características parecidas uns com outros, até mesmo para atender as diferentes demandas de tipos de investidor.

As principais classes de ativos aos quais vamos descrever aqui são: os pertencentes a renda fixa e os da renda variável, como ações, imóveis, moedas e derivativos.

classes de ativos

Classes de ativos: Renda Fixa

A renda fixa trata-se de uma remuneração que é paga ao investidor dentro de um período que já está acordado entre as partes. Ou seja, os lucros de rendimento devem respeitar as questões temporais do acordo.

O valor da remuneração pode ser feito de duas formas, antecipado já no acordo inicial ou então vista apenas quando chegar o momento de retirar o seu investimento realizado. Esses antecipados funcionam na forma dos títulos pré-fixados e se tornam estrategicamente mais interessantes em cenários econômicos com tendência de queda dos juros. Um dos mais conhecidos nesse tipo é o LTN (Letra do Tesouro Nacional).

É importante dizer que é preciso ter cautela nesses títulos em momentos de instabilidade e incertezas econômicas, já que talvez variações muito grandes na economia podem alterar bastante a compensação de pagamento do seu título para mais ou para menos.

Nesse tipo já é pré-determinado quanto você vai receber ao ano. Sendo assim, quem prefixou quando as taxas de juros eram altas se deu bem, pois agora elas caíram muito.

Já no acordo em que se sabe o valor recebido apenas quando se puder retirar o dinheiro, este seria um título pós-fixado, no qual pode haver uma variação no valor que se vai receber, aliado também às mudanças econômicas e políticas do país.

Um dos mais conhecidos dos pós-fixados é o Tesouro Selic, que varia seu rendimento conforme a taxa Selic, que é taxa básica de juros. Mesmo estando bastante baixa, é um lugar importante para se colocar o dinheiro pela segurança, sendo assim, a ideia aqui seria a construção de uma reserva de emergência e não primariamente uma alta rentabilidade.

Ainda na renda fixa, temos os títulos indexados que são títulos híbridos, no qual há uma taxa pré-fixada junto com uma parte pós-fixada, no caso a inflação. Um exemplo bastante conhecido é o IPCA+. O IPCA é o índice que mede a inflação no país. A maior vantagem nesse caso é justamente essa, proteger seu dinheiro dessa diminuição no poder de compra.

Classes de ativos: Renda variável

A renda variável diz respeito a uma classe de ativos aos quais, diferentemente da renda fixa, onde ocorre o empréstimo do seu dinheiro, que voltará com juros, na variável você não tem uma certeza referente ao lucro que virá.

Sendo assim, não há condições específicas de retorno no seu investimento como na renda fixa. A rentabilidade aqui viria da variação positiva do preço do ativo, para que assim, se possa comprar pelo preço mais baixo e vender por um preço mais alto. E assim essa diferença de compra e venda traria um certo lucro ao investidor.

Uma forma muito conhecida de renda variável é a compra ações. Nas ações, basicamente você estará virando sócio do dono primário da empresa, e assim, diferente da renda fixa, onde ocorre um empréstimo de dinheiro, aqui você está adquirindo parte da empresa.

Outra forma de ganhar dinheiro pela renda variável, em ações, é com empresas que pagam dividendos ou proventos. Sendo assim, é possível, em certos momentos, lucrar duas vezes com a mesma empresa, porém são ativos de mais alto risco do que na renda fixa.

Outra diferença interessante é a questão da liquidez. Ativos de renda variável não tem um prazo e um contrato em relação a preço, exceto se você estiver adquirindo um contrato futuro de ação, no qual o preço é pré-estabelecido com data, parecido com um título pré-fixado, mas no geral as ações costumam ter maior liquidez que os ativos de renda fixa.

A forma de se expor a ações também são variadas e existe diversas estratégias diferentes para que isso é feito, na qual há também vários tipos de empresa, divididas em grupos ligado as suas características.

Uma das principais vantagens dos ativos de renda variável é a assimetria de ganho. Enquanto o máximo de perda é 100% do valor que você investiu (falência da empresa, que não é comum no mercado de ações), não há limite de ganho, ou seja, uma ação valorizar 300%, 500% ou até 1000% é uma possibilidade palpável. Então o retorno de ganho não tem limite ao passo que o de perda tem.

Na renda fixa não vamos ver isso, já que o objetivo da mesma seria a segurança, com perfis de investidores mais conservadores, enquanto nas ações a ideia é rentabilizar o máximo possível.

Outra forma de investir na renda variável através do mercado imobiliário, seja este por comprando imóveis ou fundos imobiliários. Nesse quesito, há a possibilidade de ganhar através da valorização de ativos ou ganho com aluguéis, no caso dos FIIs, chamamos de proventos.

Ainda há opções dentro da renda variável como commodities em geral, investimentos na compra de outras moedas e até de ouro. As flutuações de preço desses ativos são diferentes e temos aqui diversos textos que destrincham um pouco mais cada um desses assuntos.

Quando aos derivativos, que é uma outra opção de renda variável, eles referem-se a uma subclasse de ativo, ao qual apresenta algumas características como: importância no mercado mundial, matéria-prima para outros produtos, muito participativo no comércio, produção padrão e baixa industrialização envolvida. As cinco principais commodities do mercado brasileiro são: petróleo, café, gado, suco de laranja, minério de Ferro.

Saiba utilizar as classes de ativos

Em resumo, o que temos na renda fixa é o empréstimo do seu dinheiro e as condições de devolução do mesmo se dão das formas que descrevemos anteriormente, explicitando cada uma das suas características particulares.

Quando a renda variável, é uma aplicação no qual não é dimensionado o valor ou remuneração que ele irá retornar no final de forma exata, sendo assim, o lucro não é pré-definido e tem diversas possibilidades a respeito

Entender esses dois tipos de investimento e cada um dos ativos incluídos neles é muito importante para encontrarmos os ativos que mais se enquadram dentro das nossas próprias características, aumentando nosso conhecimento sobre o mercado e investindo de maneira correta.

Write A Comment