Lucas Bassotto

Escrito por

Author

Economista, trader e especialista em conteúdo sobre economia, finanças e criptomoedas.

Protestos e saques ocorridos nos EUA em resposta à morte de George Floyd sob custódia policial, em 25 de maio, podem pesar nos mercados e na recuperação econômica, segundo especialistas financeiros.

Desde a morte de Floyd em 25 de maio em Minneapolis, Minnesota, a pior agitação civil em décadas surgiu em todo o país. Pelo menos 4.400 pessoas foram presas nos dias de protesto, segundo a AP.

6 estados e 13 cidades declararam Estado de Emergência, e a Guarda Nacional foi chamada para ajudar em 21 estados, incluindo Washington, distrito federal, informou o Wall Street Journal, citando a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências. Além disso, o toque de recolher foi imposto a 26 cidades em 16 estados.

Embora os mercados globais tenham se concentrado mais nas tensões entre os EUA e a China, que foram renovadas nas últimas semanas, a agitação civil pode ser um catalisador negativo para as ações, segundo gestores de fundos e analistas do setor.

Leia também:

Os protestos levaram a aglomerações em massa que poderiam induzir uma segunda onda de casos COVID-19, o que poderia danificar ainda mais a já frágil economia americana. 

Além disso, a agitação contínua pode ameaçar a confiança do consumidor, uma pedra angular da economia, e ferir governos e cidades locais que já estão sofrendo com a crise do coronavírus, disseram especialistas.

Veja como quatro especialistas financeiros pensam que os protestos em todo o país podem pesar nos mercados e ameaçar a recuperação econômica dos EUA:

1. RBC Capital Markets: “O fluxo de notícias parece estar se deteriorando em duas frentes”

“O mercado de ações parece mais focado na guerra comercial do que na agitação civil. Compartilhamos a confusão do mercado sobre o que este último significa para o caminho das ações dos EUA”, escreveu Lori Calvasina, chefe de estratégia do mercado de ações dos EUA na RBC Capital Markets, em uma nota nesta segunda-feira.

Ela continuou: “No entanto, há três razões pelas quais o vemos como um desenvolvimento potencialmente negativo para as ações”.

1- O S&P 500 está reativo ao fluxo de notícias.

Os mercados atacaram notícias positivas e negativas sobre o coronavírus, a economia, as vacinas e muito outros assuntos desde fevereiro, de acordo com Calvasina. “À medida que junho começa, o fluxo de notícias parece estar se deteriorando em duas frentes”, disse ela.

2- Aglomerações podem despertar preocupações sobre uma segunda onda do vírus.

“Vamos deixar os especialistas médicos lidarem com esse debate, mas avaliaremos por que isso é importante para as ações”, disse Calvasina. “Tem a ver com a rapidez com que a economia americana pode voltar a algo parecido com o normal. Os temores da segunda onda podem interromper a reabertura ou manter o comportamento cauteloso”.

3- A confiança do consumidor pode ser pressionada.

“Embora tenha sido atingida com força, ela nunca caiu para as baixas da crise passada no início de 2020, como tem sido o caso de vários indicadores econômicos industriais”, disse Calvasina.

“Uma pergunta fundamental para os investidores é se a melhoria seqüencial na atividade comercial e no comportamento do consumidor continuará a crescer. É muito cedo para saber a resposta”.

2. Oppenheimer: “O fracasso em praticar o distanciamento social enquanto protestava poderia minar os esforços recentes e os progressos alcançados na redução da propagação do Covid-19”.

“Um evento trágico em Minneapolis que ocorreu na semana passada viu não apenas demonstrações de tristeza e indignação na comunidade em que ocorreu, mas em várias outras cidades dos Estados Unidos nos últimos dias”, disse John Stoltzfus, estrategista-chefe de investimentos da Oppenheimer.

Ele continuou: “Infelizmente, atos de protesto violento e vandalismo resultaram em ferimentos e destruição de propriedades em várias comunidades e cidades em todo o país”.

“As aglomerações causadas pelos protestos resultaram em preocupações das autoridades de saúde de que a proximidade e a massa de pessoas em manifestações sem máscaras e o fracasso em praticar o distanciamento social durante os protestos poderiam prejudicar os recentes esforços e progressos realizados na redução da propagação do Covid-19”, disse Stoltzfus.

“Nesta primeira semana de junho, os investidores avaliarão todos os itens acima, juntamente com uma série de dados econômicos, os resultados remanescentes do primeiro trimestre de empresas ainda não divulgados, enquanto ponderam em que direção o mercado de ações seguirá, além das primárias eleitorais que estão por vir”

3. Oanda: “O impacto será sentido pelos orçamentos estaduais de muitas das grandes cidades”.

“Os protestos após a morte de George Floyd estão se espalhando como fogo pelos EUA. Após a sexta noite de protestos, os mercados financeiros ficaram intocados, mas o impacto será sentido pelos orçamentos estaduais de muitas das grandes cidades”, disse Edward Moya, executivo sênior de mercado. 

Ele continuou: “O impacto fiscal ao lidar com o COVID-19 e os recentes protestos podem levar a várias perdas de empregos no governo, já que muitos estados já estão precisando de dinheiro e têm dificuldade em obter ajuda federal”.

“A recuperação econômica é frágil e os protestos violentos nas principais cidades dos EUA tornarão essa recuperação mais longa e mais plana”, disse Moya. “Por enquanto, ativos arriscados continuam sendo suportados pelo Fed.”

4. AvaTrade: “Os protestos e tumultos em andamento representam uma ameaça para os mercados financeiros dos EUA”.

“Acreditamos que os protestos e tumultos em andamento representam uma ameaça para os mercados financeiros dos EUA, uma vez que corroem a confiança dos investidores, que já é escassa”, disse Naeem Aslam, analista de mercado da AvaTrade, em nota de segunda-feira.

Ele continuou: “Além disso, também temos receio de que esses distúrbios aumentem os números de coronavírus”.

“As autoridades americanas se esforçaram muito para diminuir esses números e, se o problema não for resolvido em breve, podemos estar enfrentando outra onda de coronavírus muito mais cedo do que o atualmente previsto”.

Traduzido de Business Insider

Protestos no Brasil

A onda de protestos também chegou no Brasil, embora o escopo das manifestações aqui seja mais generalista: em favor da democracia ou em apoio do presidente Jair Bolsonaro. São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro viram suas capitais serem alvos de protestos.

Em Brasília, os apoiadores de Bolsonaro se reuniram para demonstrar apoio ao presidente e também protestar contra o STF, que parece ser o maior inimigo do governo neste momento. Em São Paulo e Rio de Janeiro, torcidas organizadas de Corinthians e Flamengo entraram em confronto com apoiadores de Bolsonaro.

Parece que estes protestos têm um catalisador em comum: o mandato de busca e apreensão de blogueiros apoiadores do governo suspeitos de fazerem parte de um esquema de Fake News. Desde então, o Bolsonaro vem externando ainda mais sua insatisfação com o STF.

O inquérito para investigar as Fake News pode chegar aos filhos de Bolsonaro. A situação política está longe de ser minimamente estável no Brasil e isso é um fator de risco para o país, principalmente no tocante do dólar, que já está fortemente desvalorizado, principalmente por conta da Covid-19.

Write A Comment