Altruísmo, o que nos motiva a doar?

Filantropia, o que nos motiva a contribuir financeiramente?

Apenas tente se lembrar quais foram as últimas estratégias que alguma instituição de responsabilidade social tentou utilizar para alcançar você e incentivar a sua filantropia. Com o avanço da tecnologia, esses mecanismos foram atualizados.

De qualquer forma, em abordagem pessoal, por intermédio das redes de tv, correios ou atualmente por mensagens eletrônicas, ou redes sociais, o objetivo é o mesmo, nos convencer a doar alguma quantia, algumas vezes em troca, podemos até receber algum objeto que irá simbolizar sua atitude filantrópica.

Já adiantamos que a caridade ganhou a posição de negócio e os profissionais na arte de persuadir ganham espaço no mercado.

Por exemplo, Charles Summer Ward que ao ser enviado a Washington DC, conseguiu uma grande contribuição com um homem afortunado. Em outras palavras, Ward empregou seu conhecimento sobre a natureza humana e seu talento com princípios de negócios para assim conseguir vantagens.

Mas afinal o que realmente nos motiva a realizar contribuições sociais? Pontuamos nesse artigo alguns motivos que envolvem altruísmo e outros nem tanto assim.

Benefícios ao realizar contribuições sociais

A princípio, a doação de capitais para instituições de caridade pode gerar benefícios aos donatários e ao próprio doador. Ainda mais pelos incentivos fiscais previstos na legislação, que ajudam a potencializar o pagamento de impostos.

Com isso, é necessário conhecer e desmistificar a complexidade dos dispositivos jurídicos. Pois, conforme as regras, cada modelo de doação irá funcionar de uma maneira específica.

Então, para os que desejam unir filantropia e ganhos financeiros, o primeiro passo é conhecer a lei que possibilita o sujeito o abatimento de até 6% do imposto de renda.

Além disso, é importante saber que essa aplicação de doadores individuais só pode ocorrer para fundos dos direitos da criança e do adolescente que estejam pautados em conselhos municipais, estaduais ou federais.

Segundo, fique em alerta sobre outra regra da Constituição que presume que os Estados conseguem ter imposto sobre doações e heranças. Ou seja, o imposto sobre Doações e Causas Mortis, por exemplo, a alíquota no Estado de São Paulo é de 4% sob o montante do bem doado.

Contudo, com exceção de bens imóveis, fica na responsabilidade do donatário o recolhimento do valor definido. Porém, se a instituição de caridade não efetuar o pagamento do que foi cobrado, a dívida é transferida para o doador.

Em contrapartida, existem padrões diferentes de quem pratica a filantropia, por isso, tudo vai depender do objetivo do indivíduo e do tamanho da riqueza disponível. Eventualmente, o brasileiro se encaixa ainda no modelo paternalista de atividades filantrópicas.

Veja também: Jogos de tabuleiro que incentivam a educação financeira

Perfil empreendedor filantrópico

Dentro dos modelos temos o padrão empreendedor, este investidor escolhe sua causa e decide então defender e desenvolver seu próprio modelo de atuação. Agora, para explicar melhor esse perfil citaremos a história do então bilionário Sam Bankman-Fried que com 29 anos fundou a empresa Exchange FTX.

Contudo, mesmo seu trabalho sendo na área da tecnologia, foi por intermédio da filantropia efetiva que Bankman virou a chave e escreveu sua carreira.

Segundo o empresário, ao conhecer uma ação fundada por professores de Oxford enquanto estava na faculdade, pode entender através da filosofia do altruísmo efetivo que precisamos fazer o bem da forma mais eficiente e plausível, empregando unicamente os meios que estão disponíveis.

Sendo assim, é inquestionável a mudança na trajetória da vida de Bankman após conhecer o estudo e ação do altruísmo efetivo. Com isso, determinou que para doar bastante dinheiro ele deveria ganhar uma quantidade maior de dinheiro. Bem como, também constatou que as organizações não governamentais também não seriam a melhor escolha.

Dessa forma, decidiu que o trabalho no mercado financeiro seria a melhor estratégia para alcançar seu propósito. Então, ao criar a empresa Exchange FTX manteve sua idealização política altruísta.

Dessa forma é realizado um cálculo sobre as taxas de negociação, dentro de todas as taxas líquidas 1% é destinado a doações para diversas instituições de caridade pelo mundo.

Acima de tudo, o valor separado para as doações não são enviados a qualquer lugar, são para instituições realmente eficazes. Contudo, anteriormente a FTX calculou o total de US$ 12 milhões doados.

Veja também: A importância da educação financeira infantil

Redução no imposto de renda para quem faz doações

Sobretudo, já entendemos que doações podem gerar redução nos impostos. De modo geral empresas que fazem doação para Organizações sem fins lucrativos reduzem o dinheiro que iria para o governo.

Nesse sentido, a empresa que tem esse objetivo deve utilizar o modelo completo de declaração, e ter em pauta que há um limite no valor de doação que varia a cada ano.

Saiba que você pode escolher entre doar para uma ou mais instituições, no entanto, doar para apenas uma torna fácil o acompanhamento dos programas e projetos, além de facilitar a transparência, tendo um melhor controle de onde seu dinheiro está sendo empregado.

Igualmente, nas possibilidades, se a instituição de caridade escolhida solicitar ajuda, o valor doado à instituição é ampliado em 25% para patrocinar a causa envolvida. Porém, se o doador for de taxa adicional ou taxa superior, ele receberá uma restituição de imposto semelhante ao valor pago sobre a sua contribuição.

Tal qual, se a doação for por meio de uma contribuição na folha de pagamentos, a quantia paga através do seu salário não será tributada.

Conclusão

Contudo, o imposto sobre o rendimento de uma empresa é pago com a definição do cálculo de base no lucro do ano. Porém, ao fazer doações a instituições filantrópicas a empresa não paga imposto sobre a quantia doada.

Por fim, exercer a filantropia não é exatamente algo que necessite ser apenas de forma financeira, a empresa pode doar bens ou produtos que produz ou vende, além de ter a possibilidade de incluir terrenos, propriedade, ações, pagamentos de patrocínios, entre outros.

Com isso, as doações financeiras ou em espécie a instituições têm benefícios financeiros expressivos, com o intuito de favorecer o lado do donatário e do doador.

Em conclusão, caso necessário entre em contato com seu contador e descreva suas intenções e objetivos de doação para que ele se encarregue da sua declaração de imposto.

Veja também: Play-to-earn, o novo modelo de negócios dos jogos

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts