Investificar

Escrito por

Author

Canal de conteúdo sobre Investimentos, Economia e Finanças da Nox Bitcoin.

Informação da Phys.org

A Terra abrigará 8,8 bilhões de pessoas em 2100, 2 bilhões a menos do que as atuais projeções da ONU, de acordo com um grande estudo publicado quarta-feira (15/jul) que prevê novos alinhamentos de energia global moldados por taxas decrescentes de fertilidade e envelhecimento da população.

No final do século, 183 dos 195 países – com exceção do influxo de imigrantes – terão caído abaixo do limiar de substituição necessário para manter os níveis populacionais, informou uma equipe internacional de pesquisadores no The Lancet.

Mais de 20 países – incluindo Japão, Espanha, Itália, Tailândia, Portugal, Coréia do Sul e Polônia – terão seus números diminuídos em pelo menos metade. A China também verá diminuição populacional, de 1,4 bilhão de pessoas hoje para 730 milhões em 80 anos.

Enquanto isso, a África Subsaariana triplicará de tamanho para cerca de três bilhões de pessoas, com a Nigéria expandindo para quase 800 milhões em 2100, perdendo apenas para 1,1 bilhão de pessoas na Índia.

Leia também:

“Essas previsões sugerem boas notícias para o meio ambiente, com menos estresse nos sistemas de produção de alimentos e menores emissões de carbono, além de oportunidades econômicas significativas para partes da África Subsaariana”, disse o principal autor Christopher Murray, diretor do Institute for Health Metrics e Avaliação (IHME) da Universidade de Washington, disse à AFP.

“No entanto, a maioria dos países fora da África verá forças de trabalho encolhendo e invertendo pirâmides populacionais, o que terá consequências negativas profundas para a economia, especialmente sobre o sistema previdenciário”.

Para os países de alta renda dessa categoria, as melhores soluções para sustentar os níveis populacionais e o crescimento econômico serão políticas flexíveis de imigração e apoio social para famílias que querem filhos, concluiu o estudo.

“No entanto, diante do declínio da população, há um risco muito real de que alguns países considerem políticas que restringem o acesso a serviços de saúde reprodutiva, com consequências potencialmente devastadoras”, alertou Murray.

866 milhões de pessoas com mais de 80 anos

“É imperativo que a liberdade e os direitos das mulheres estejam no topo da agenda de desenvolvimento de todos os governos”. Os serviços sociais e os sistemas de saúde precisarão ser revisados ​​para acomodar populações muito mais velhas.

À medida que a fertilidade diminui e a expectativa de vida aumenta em todo o mundo, o número de crianças menores de cinco anos deve diminuir em mais de 40%, de 681 milhões em 2017 para 401 milhões em 2100, segundo o estudo.

No outro extremo do espectro, 2,37 bilhões de pessoas – mais de um quarto da população global – terão mais de 65 anos. Aqueles com mais de 80 anos passarão de 140 milhões hoje para 866 milhões.

Quedas acentuadas no número e na proporção da população em idade ativa também trarão enormes desafios em muitos países. “As sociedades lutarão para crescer com menos trabalhadores e contribuintes”, observou Stein Emil Vollset, professor do IHME.

O número de pessoas em idade ativa na China, por exemplo, cairá de cerca de 950 milhões hoje para pouco mais de 350 milhões até o final do século – uma queda de 62%.

Prevê-se que o declínio na Índia seja menos acentuado, de 762 para 578 milhões. Na Nigéria, por outro lado, a força de trabalho ativa aumentará de 86 milhões hoje para mais de 450 milhões em 2100.

Essas mudanças tectônicas também reorganizarão a hierarquia em termos de influência econômica, prevêem os pesquisadores.

Leia também:

Um novo mundo multipolar, mudança na população mundial

Em 2050, o produto interno bruto da China ultrapassará o dos Estados Unidos, mas voltará ao segundo lugar em 2100, prevê a pesquisa. O PIB da Índia passará a ocupar o terceiro lugar, enquanto Japão, Alemanha, França e Reino Unido permanecerão entre as dez maiores economias do mundo.

Prevê-se que o Brasil caia no ranking do oitavo para 13º e a Rússia de 10º para o 14º. Enquanto isso, as potências históricas Itália e Espanha caem dos 15 para os 25 e 28 melhores, respectivamente.

A Indonésia pode se tornar a 12ª maior economia do mundo, enquanto a Nigéria – atualmente em 28º – está projetada para quebrar chegar próximo do top 10.

“Até o final do século, o mundo será multipolar, com Índia, Nigéria, China e Estados Unidos como potências dominantes”, disse Richard Horton, descrevendo o estudo como descrevendo “mudanças radicais no poder geopolítico”.

Até agora, as Nações Unidas – que previam 8,5, 9,7 e 10,9 bilhões de pessoas em 2030, 2050 e 2100, respectivamente – praticamente tiveram o monopólio da projeção da população global.

A diferença entre os números da ONU e do IHME depende crucialmente das taxas de fertilidade. A chamada “taxa de substituição” para uma população estável é de 2,1 nascimentos por mulher.

Os cálculos da ONU assumem que os países com baixa fertilidade hoje verão essas taxas aumentarem, em média, para cerca de 1,8 filho por mulher ao longo do tempo, disse Murray.

“Nossa análise sugere que, à medida que as mulheres se tornam mais instruídas e têm acesso a serviços de saúde reprodutiva, optam por ter menos de 1,5 filho em média”, explicou ele por e-mail.

“O crescimento contínuo da população global ao longo do século não é mais a trajetória mais provável para a população mundial”.

Fundado em 2007 e apoiado pela Fundação Bill e Melinda Gates, o IHME tornou-se uma referência global para estatísticas de saúde, especialmente seus relatórios anuais de Carga Global de Doenças.

Write A Comment