braiscompany

Devo confiar e investir meu dinheiro na Braiscompany?

Um grande amigo te apresenta a oportunidade do século, através de uma operação financeira totalmente nova, você colocaria R$ 1 mil e depois de um mês você teria 30% de lucro. 

Você não conhece muito bem o negócio, mas é tão fácil tentar que “vai que, né?”.  Afinal não há a necessidade de analisar profundamente o ativo e seus riscos, tudo é feito por profissionais altamente qualificados. 

Confiante, você então segue a dica e 30 dias depois, seu saldo na aplicação está mesmo em R$ 1.300. Depois de três meses, já são R$ 1.690. Em seis meses, R$ 2.856. Ao final de um ano, aqueles seus mil reais se transformaram em R$ 8.157. 

Você pensa em triplicar o capital, aportando todos os meses agora, quem sabe dentro de alguns poucos anos você abandona o seu emprego e começa a viver de renda, simples assim. 

Até que então a casa cai, você ouve no telejornal que as operações financeiras na quais você participa, oferecem riscos altíssimos e que estão sendo investigadas por crime contra a economia popular. 

Em desespero, você tenta sacar o seu dinheiro,  mas não consegue, o site saiu fora do ar. A empresa admite que está com problemas no servidor, mas que logo irá normalizar, esse logo virá nunca e você perde todo o seu dinheiro, com os donos fugindo para fora do país, com mandados de prisão expedidos. Lá se vai o seu sonho de uma aposentadoria antecipada. 

Esse exemplo acaba de descrever o “esquema Ponzi”, umas das formas mais sofisticadas de pirâmide financeira. Em teoria, os rendimentos não vêm de negócios concretos, mas através do dinheiro investido dos novos entrantes. 

Leia também:

O que é uma pirâmide financeira ou esquema ponzi?

Bernie Madoff: o maior piramideiro da história

Ou seja, aqueles R$ 1 mil “investidos” inicialmente foram parar no saldo de outra pessoa. O seu saldo cresceu justamente porque mais pessoas entraram no esquema, colocando os R$ 1 mil delas, pelo mesmo motivo que você, onde a promessa “fique rico rápido” chama mais a atenção do que “fique rico devagar e com cautela”.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) anunciou que realizou cerca de 260 comunicações aos Ministérios Públicos dos Estados e Federal a respeito de indícios de crimes financeiros entre janeiro e setembro de 2020.

Os dados estão no Relatório de Atividade Sancionadora com dados do 3º trimestre de 2020 (e acumulado dos nove primeiros meses do ano) divulgados pela autarquia. Entre os indícios de crimes financeiros mais frequentes em 2020, destacam-se as pirâmides financeiras, mais de 4 milhões de pessoas já caíram neste tipo de golpe. Muitas delas usam o Bitcoin como forma de atrair clientes, presentes em 139 dos 260 comunicados.

A Braiscompany

Ao que parece, 2020 não poderia terminar “apenas” com o corona day, Ibovespa aos 115 mil pontos e o Bitcoin aos 19 mil dólares. O mercado financeiro se movimentou na última semana com a denúncia de uma grande pirâmide financeira. 

Tiago Reis, fundador da Suno Research, com 15 anos de experiência no mercado financeiro, é conhecido também por denunciar esquemas de pirâmide, com a conhecida “Operação Faraó”. Esta operação atua como uma forma de chamar atenção contra esquemas de pirâmide no Brasil, compartilhando dados sobre os negócios, acelerando a queda de empresas que se utilizam do esquema ponzi.

A empresa da vez foi a Braiscompany, autointitulada como a “maior holding de blockchain” da América Latina, com sede na capital da Paraíba, Campina Grande, com filiais em São Paulo, Fortaleza e João Pessoa. 

A empresa afirma atuar através de day trade (lucro com operações diárias), garantindo assim os ganhos de seus clientes previstos em contrato. Além disso, a empresa diz que atua no mercado através da alocação de ativos digitais, meio pelo qual paga seus clientes com um valor variável dentro de um intervalo de tempo pré-estabelecido. 

Inicialmente a promessa oferecida era de 15% ao mês, hoje a rentabilidade oscila entre 7% e 10%, o que pode demonstrar um indício de que o esquema estaria caindo, tendo em vista que a entrada de novas pessoas possa estar diminuindo. 

Se analisarmos a rentabilidade mínima de 7% ao mês, iremos perceber que está é totalmente fora do mercado. Se considerarmos a rentabilidade do maior investidor de todos os tempos, Warren Buffett, perceberemos que a rentabilidade média foi de cerca de 1,6% ao mês. 

berkshire hathaway
Performance da Berkshire Hathaway (empresa de Warren Buffett)

Ao caro leitor, não acredite em rendimentos fixos no mercado de renda variável, ainda mais com rentabilidade de saltar aos olhos. 

Se formos colocar na conta a rentabilidade anteriormente prometida (de 15% ao mês), com uma aplicação de R$ 10.000,00, durante dez anos, resultaria no montante de R$ 192.193.933.910,92, superior ao valor de mercado da Magazine Luiza (MGLU3), atualmente em R$ 171,9 bilhões, segundo divulgação de Resultados do 3T20. 

Desafio – Tiago  Reis

Após fazer as devidas denúncias que envolvem a Braiscompany, o analista propôs que a empresa realizasse uma auditoria, através de empresas competentes, com anos de atuação no mercado, como a KPMG e PWC, a fim de realizar uma análise da atuação empresarial com foco na identificação dos erros e acertos que um empreendimento apresenta ao exercer suas atividades. 

Além disso, foi proposta uma total transparência do fluxo de caixa, onde se pode observar todo o dinheiro que está entrando e saindo do negócio, os prazos para pagamentos e recebimentos, valores, taxas, descontos, mensalidades etc.

Por fim, foi sugerido que a empresa devolvesse todo o capital aos investidores e realizasse uma nova chamada de capital, considerando que o seu preço de mercado já é o real, quando se leva em conta os preços de mercado dos ativos que o compõem. 

Tendo como objetivo, demonstrar que não há transferência de riqueza entre os investidores. Em outras palavras, os ganhos ou perdas que a empresa apresentar devem ser atribuídos a quem está dentro da estrutura no momento do evento. Não houve qualquer resposta da empresa referente às alternativas mencionadas.   

Falsas promessas e muito mais 

Além disso, conforme consulta feita no site do regulador, a empresa não é emissora registrada ou dispensada pela CVM. Em outras palavras, a empresa não tem autorização para ofertar contratos de investimento coletivo ou valores mobiliários. A própria CVM já abriu um processo contra a Braiscompany (Nº19957.004777/2020-24). 

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) também teria aberto uma investigação contra a suposta pirâmide financeira desde julho deste ano. O promotor de Justiça Sócrates da Costa Agra, diretor-regional do Programa de Proteção e Defesa do Consumidor MPPB, abriu um procedimento administrativo contra a empresa.

Fato curioso é que após a denúncia de Reis, o site da Braiscompany saiu do ar. A empresa alegou, no entanto, que a instabilidade era decorrente de um grande volume de acesso. 

No entanto, a empresa que se intitula como a “maior holding de blockchain” da América Latina, que conta com o auxílio da tecnologia sofisticada atualmente, é hospedada pela hostgator, um serviço de baixo custo, com infraestrutura infinitamente menor do que Google, Amazon, Microsoft, que oferecem serviços em nuvem para médias e grandes empresas, contando com a ajuda de administradores e licenças de programas separadamente. 

No momento da redação deste artigo, o site já está funcionando, embora apresente instabilidade.

Braiscompany e Bitcoin 

O bitcoin (BTC) disparou 40% em novembro e obteve um impressionante aumento anual de 165%. A moeda virtual permanece no mês de dezembro em território de alta, onde muitos investidores transacionam suas operações. 

Todavia, o fato é que a Braiscompany, que afirma ter a melhor equipe de traders institucionais do planeta terra, com a maior plataforma de soluções e aplicações digitais do mundo, obriga os clientes a ficarem com os bitcoins depositados por um ano até poderem fazer o primeiro saque. 

Qual seria a razão para essa proibição, tendo em vista que a compra e venda de Bitcoins só cresce, aumentando assim sua liquidez? Já conhecemos essa história. 

Durante todo ano, o investidor consegue fazer o saque dos rendimentos normalmente, com o dinheiro caindo na conta em até dois dias úteis. Mas, quando os prazos dos saques começaram a aumentar, ele resolve retirar todo o seu dinheiro e percebe que não vai conseguir tão cedo. Depois disso é promessa em cima de promessa, onde nunca mais se vê a cor do seu dinheiro. 

Mas afinal, Bitcoins são considerados pirâmides?

A resposta é não. Bitcoins são escolhidos como uma das diversas formas de pagamento de esquemas de pirâmides, a escolha é baseada em seus atuais níveis de valorização. Para se ter uma ideia, o funcionamento do bitcoin é como o de qualquer moeda, como real ou dólar, tendo vantagens em relação às moedas físicas, como a facilidade para transferências, legalidade e segurança.

É preciso compreender que o bitcoin é utilizado apenas como artimanha para esses esquemas de pirâmide. O esquema de ponzi e outros golpes financeiros existe desde 1920, sempre usando investimentos que tendem a ter algumas características particulares. Já foram cupons, Boi Gordo, Avestruz Master, TelexFree e hoje é a vez do Bitcoin. 

Braiscompany vs Hashdex

Nos últimos dias a Braiscompany tem associado seu modelo de negócio com o da Hashdex, na tentativa de se legitimar. Para aqueles que não conhecem a empresa, a  Hashdex é uma gestora de recursos especializada em criptoativos, criada em 2018, oferecendo fundos de investimento para diferentes perfis de investidor, por meio das principais plataformas no Brasil.

Todavia, muitíssimo contrário à Braiscompany, a Hashdex conta a auditoria de seus fundos feitos pela KPMG e administrados pelo BTG Pactual, instituições respeitadas por todo o mercado financeiro. Além disso, a Hashdex possui segregação do seu gestor e administrador, ponto muito importante desde os escândalos de Madoff em 2008. 

Mas as diferenças não param por aí, a Hashdex é supervisionada e fiscalizada pela CVM, diferentemente da Braiscompany, que se recusa a passar pela inspeção do regulador. Além disso, a Hashdex oferece resgate em 15 dias, o que valida o conceito de alta liquidez sobre o produto ofertado. Enquanto a Braiscompany oferece ao seu cliente o prazo de resgate de 1 ano. 

Podemos constatar que a única semelhança que há entre as duas empresas é referente ao interesse pelo Bitcoin. Todas as diferenças apresentadas mostram o quão longe se encontra a Braiscompany frente a empresas que realizam seu trabalho com seriedade e transparência.   

Casal “ais”

Fabrícia Farias Campos e Antônio Inácio da Silva Neto são citados em pelo menos 20 ações no Tribunal de Justiça da Paraíba. O casal está envolvido em outro escândalo de pirâmide financeira, a D-9, ou Clube D-9, cujas atividades foram encerradas em 2018 após uma série de denúncias e processos judiciais.

Em uma reportagem do Fantástico sobre pirâmides financeiras, veiculada em agosto de 2017, e disponível no YouTuber, aparece Antônio da Silva Neto gritando slogan para atrair clientes para a D-9. Seu fundador, Danilo Vunjão Santana Gouveia, o Danilo Dubaiano, fugiu para Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, onde leva uma vida de luxo graças aos R$ 200 milhões desviados pelo esquema. 

No site da empresa podemos observar que os nomes dos réus se encontram diferentes, como Antonio Neto Ais e Fabricia Ais, o advogado Orlando Virginio Penha, que defende a empresa, disse que casal optou por utilizar no sobrenome apenas as letras “Ais”, que seriam as iniciais do sobrenome de Antonio.

Uma vítima das da D9 entrou com ação por danos morais e materiais contra o casal no início de 2018. No processo, a vítima alega que foi convencida pelos donos da Braiscompany a vender um veículo Ford Ecosport, do ano 2007, por R$ 16.930,00, para entrar na pirâmide.

Em outra ação parecida, uma vítima da D9 alegou que o casal a influenciou a vender uma motocicleta e usar o dinheiro no esquema, assegurando que seria um excelente investimento e que, após o pagamento do valor supracitado, receberia R$ 2.079,00 mensalmente, durante um ano. O valor perdido no golpe foi de R$ 6.100, conforme podemos observar no registro de ocorrência. 

processo braiscompany

A requerente não recebeu nenhum valor empregado, nem tão pouco os valores que retornaram como forma de contraprestação ao investimento. A verdade é que há no Tribunal de Justiça da Paraíba diversos processos solicitando ressarcimentos de centenas de milhares de reais por ação.

Record expulsa Braiscompany de Reality Show

Um programa apresentado na Record News, a Batalha das Startups busca ensinar empreendedorismo e inovação no Brasil. Recentemente, uma palestra sobre a tecnologia blockchain foi destaque entre na programação do reality.

O que foi inesperado é que os seus palestrantes estariam envolvidos em um golpe de pirâmide financeira. Após a polêmica envolvendo a empresa Braiscompany, o reality show Batalha das Startups afastou a marca Braiscompany do programa.

A produção do programa, que é feita pelo Inova360, lamentou o ocorrido e informou que, como medida de prevenção e precaução, definiu o afastamento da marca Braiscompany e de seus fundadores até que o caso seja efetivamente esclarecido.

Conclusão

Podemos observar que os esquemas de pirâmides financeiras acabam tendo algumas fases comuns. A primeira, de euforia, quando o número de associados está crescendo e os mais antigos estão sacando os rendimentos prometidos. 

A segunda, quando o número de novos entrantes se estabiliza e a empresa começa a atrasar os pagamentos dos saques. A terceira, quando a empresa não consegue pagar os resgates e cria justificativas, como problemas operacionais e até ataques de hackers ou desvios de recursos. 

Na quarta, a pirâmide começa a enrolar os investidores, realizando promessas de pagamento para datas futuras. Por fim, a quinta, quando a empresa admite que quebrou e oferece um contrato de confissão de dívida para o investidor, dando a ilusão que ele terá uma garantia de que receberá. Fornecendo o tempo necessário para seus fundadores saírem do país com todo o dinheiro. 

Promessas de ganhos exorbitantes são sempre suspeitas, deve-se averiguar a autenticidade e regulação da empresa em que se pretende investir para evitar cair em pirâmides. Antes de colocar o seu dinheiro em qualquer instituição, confira se esta possui autorização da CVM para exercer o seu modelo de negócio. 

Normalmente as pirâmides se sustentam com altos ganhos em um prazo curto, até que começam a dificultar os saques e resgate dos recursos. A própria Superintendência de Relações com o Mercado e Intermediários, responsável por coordenar, supervisionar e fiscalizar as entidades do sistema de distribuição de valores mobiliários, assegurando funcionamento eficiente e regular dos mercados, concluiu que há claros indícios de fraude, com características de pirâmide financeira envolvendo a empresa Braiscompany. 

Lembre-se que altos retornos significam altos riscos agregados, Você não aprende a realizar operações complexas de um dia para o outro, as chances de dar errado é a mesma que desce o maior morro que conhece, sem aprender a andar de bicicleta anteriormente. 

Tire o seu dinheiro da Braiscompany enquanto é tempo, após isso, procure nomes como Warren Buffet, George Soros, Ray Dalio, Luiz Barsi e aprenda que investir é como olhar a grama crescer, investir é longo prazo. 

Total
16
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts