Camila Russar

Escrito por

Author

Designer, marketeira de produto e apaixonada por escrever textos sobre tecnologia e startups.

O cheque especial é um empréstimo pré-aprovado que o banco te disponibiliza quando você abre uma conta. Mas não ache que o banco faz isso porque é bonzinho, antes desta semana, os juros chegavam até 500% ao ano. Apesar deste recurso estar em seu extrato bancário, tome cuidado, pois ele não é seu dinheiro.  

Desde segunda-feira, o cheque especial foi citado em diversos portais e canais de notícia. Você sabe o motivo? Ele teve sua taxa de juros limitada nos bancos e também poderá ter cobrança de tarifa nos correntistas. 

As novas determinações foram publicadas no portal do Banco Central do Brasil no dia 28 de Novembro de 2019. Mas, só ficamos sabendo amplamente na imprensa nesta primeira semana de 2020. 

Quais são as novas mudanças? 

Desde o dia 6 de janeiro de 2020, o Conselho Monetário Nacional estabeleceu limite máximo de 8% ao mês de taxa de juros no cheque especial. Mas não fique achando que é pouco, pois, ao ano, acumula 150%. 

Além disso, para os contratos em vigor, a partir de junho deste ano, será permitida a cobrança de uma tarifa de até 0,25% ao mês para quem tem limite de crédito acima de R$ 500. 

Segundo o Banco Central, o objetivo das alterações é para diminuir o custo desse recurso com os juros. Com a cobrança da tarifa, muitos clientes podem baixar seus limites, diminuindo o custo de capital dos bancos. 

Quanto ao juros, a determinação protege um pouco mais os bancarizados, que antes poderiam estar expostos à taxas gritantes de 350% ao ano.

Cuidados com o cheque especial

O cheque especial é um recurso emergencial. Mas, existem outras alternativas a ele, como crédito pessoal, empréstimos e o melhor, planejamento financeiro para que não precise pegar dinheiro com o banco! 

Não utilize o cheque especial só pela facilidade de já estar disponível para você. Neste caso, o barato sai caro. 

A partir de agora, você precisa tomar algumas ações para garantir que não será cobrado pelo cheque especial, mesmo não o utilizando:

  1. Confira o seu limite. Se você realmente precisa ter este recurso, mantenha seu limite em no máximo R$499,99. A partir de R$500, a tarifa poderá ser cobrada. 
  2. Entre em contato com seu banco e veja se ele pretende cobrar pelo serviço. Itaú, BB e Bradesco disseram que não vão aderir à tarifa, mas isso pode mudar no futuro. 
  3. Se você não precisa do cheque especial, cancele o serviço entrando em contato com o seu banco. 

Para os novos correntistas, o serviço necessitará de um aceite, o que não acontecia anteriormente. Então, para usar o cheque especial, a pessoa deverá solicitar o valor para o banco. 

Planejamento para não depender do cheque especial

Planejamento é sempre o melhor companheiro de suas finanças. Muitas vezes, o cheque especial é utilizado por compras cotidianas, não planejadas. Isso pode prejudicar muito sua saúde financeira e alavancar suas dívidas de forma astronômica. 

Portanto, fique atento ao que gasta mensalmente. Analise todas suas despesas, seu orçamento e entre em contato com o banco. Assim, você consegue entender mais sobre como as novas determinações vão te afetar.

Leia também:

  1. Para onde vai o dinheiro arrecadado dos impostos?
  2. Além do INSS: como funciona uma previdência privada?

Write A Comment