Investificar

Escrito por

Author

Canal de conteúdo sobre Investimentos, Economia e Finanças da Nox Bitcoin.

Informação da EuroNews

A Nova Zelândia anunciou na quinta-feira (2/jul) que sua dívida pública mais que dobrará nos próximos três anos, ao apresentar um plano de investimentos massivo para mitigar o impacto econômico da pandemia de COVID-19.

A nação insular investirá 50 bilhões de dólares da Nova Zelândia (27,7 bilhões de euros) nos próximos quatro anos para impulsionar a economia. Como resultado, a dívida pública deve subir de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) para 54% em 2023.

Mas a Nova Zelândia está longe de ser o único país a esperar que sua dívida pública seja afetada pela pandemia.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estimou no mês passado que “os saldos fiscais em 2020 deverão se deteriorar em quase todos os países, com expansões estimadas consideráveis ​​nos Estados Unidos, China e várias economias europeias e asiáticas”.

A área do euro deverá, assim, ver a sua dívida pública bruta em relação ao PIB aumentar de 84,1% em 2019 para 97,4% este ano.

O que é dívida pública?

A saúde de uma economia é medida, principalmente, através de seu PIB, que representa o valor total do que o país produziu em bens e serviços durante um período específico de tempo. Inclui todo o consumo público e privado, gastos governamentais, investimentos, mundo da construção e a balança comercial externa – se o país exportou mais do que importou.

A relação dívida/PIB, portanto, calcula o que um município deve em comparação com o que produz e indica a capacidade de um país pagar sua dívida. Normalmente, quanto maior a relação dívida/PIB, maiores serão as taxas de juros dos títulos do governo – o instrumento utilizado pelos países para captar recursos.

Por que a dívida está subindo?

Países ao redor do mundo tomaram medidas drásticas para conter a propagação da pandemia mortal do COVID-19. Os bloqueios foram introduzidos em todos os continentes, limitando a capacidade das pessoas de se moverem e atender, paralisando setores inteiros e colocando os sistemas de saúde sob intensa pressão.

Governos de todo o mundo tiveram que revelar grandes planos de investimento para impedir que as empresas falissem e os trabalhadores por perderem seus empregos.

Segundo o think tank de Bruegel, o governo federal alemão anunciou medidas de apoio no valor de mais de 1,4 trilhão de euros, enquanto França, Itália, Reino Unido e EUA propuseram respectivamente 620 bilhões de euros, 781 bilhões de euros, 520 bilhões de euros e 3 trilhões de euros.

Quanto vai subir na União Europeia?

Aqui está o que a previsão do FMI em seu Monitor Fiscal divulgou no mês passado. A Grécia e a Itália continuarão sendo os países mais endividados, com a relação dívida / PIB de Atenas subindo de 179,2% para 200,8%.

Enquanto isso, prevê-se que Bélgica, Chipre, França, Portugal e Espanha ultrapassem o limite de 100%.

Dívidas públicas dos países

dívida nova zelândia

O que isso realmente significa?

“No curto prazo, isso significa muito pouco”, explicou à Euronews Antonio Fatas, professor de economia da escola de negócios INSEAD. “Veremos o aumento das dívidas do governo, mas com as taxas de juros atuais isso impõe um custo mínimo às finanças públicas”, continuou ele.

Mas, ressaltou, ainda existem riscos, incluindo “que alguns governos sejam vistos como insolventes e que tenhamos uma crise de dívida soberana ou que politicamente o aumento da dívida provoque uma demanda por austeridade (isso seria uma má notícia para a economia européia).”

A boa notícia é que as economias europeias estão agora melhor equipadas para lidar com esses ventos contrários, devido à crise financeira de 2008-2012. As baixas taxas de juros se tornaram a norma e devem permanecer lá por “muito tempo”, enquanto o Banco Central Europeu “está melhor preparado (econômica e politicamente) para manter os mercados calmos”, disse Fatas.

Para ele, o aumento da dívida pública não afetará, portanto, o crescimento no médio prazo. Além disso, como o aumento da dívida é resultado de políticas fiscais projetadas para impulsionar a economia, deve resultar em “mais empregos, maior renda e aumento do consumo”. “A dívida em si não tem impacto direto no consumidor”, destacou.

Write A Comment